PDT ameaça retirar apoio a Henrique Alves e Wilma de Faria e provoca crise no acordão

Insatisfação das bases do PDT com descumprimento de acordo na proporcional, pode gerar rompimento

HENRIQUE-CADU

Alex Viana

Repórter de Política

O acordão enfrenta sua primeira crise após o anúncio oficial da chapa Henrique Alves/Wilma de Faria. O presidente do PDT em Natal, Kleber Fernandes, disse que o partido poderá reavaliar a intenção de apoio já declarada à chapa que terá o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB), como candidato a governador, e a vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB), disputando o Senado. Segundo Kleber Fernandes, há insatisfação nas bases e na militância pedetista em razão da falta de reciprocidade da chapa majoritária para com o projeto do PDT nas eleições de 2014, que é eleger um deputado federal e aumentar a bancada de deputados estaduais na Assembleia Legislativa. Essa insatisfação, de acordo com ele, poderá resultar na reavaliação de apoio do PDT, partido presidido no Estado pelo prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, integrado pelo prefeito de Parnamirim, Maurício Marques, responsáveis pelos primeiro e terceiro maiores colégios eleitorais do Estado, que poderão apoiar, até, a candidatura do vice-governador Robinson Faria (PSD) a governador.

Na avaliação de Kleber Fernandes, as convenções partidárias são em junho e, a despeito da declaração de apoio do PDT à chapa majoritária no evento do PMDB, os convencionais são soberanos e poderão surpreender. “A gente tem analisado, internamente, junto à militância do PDT, porque está surgindo uma insatisfação do partido com relação à chapa majoritária. E sinto que isso pode encaminhar inclusive para uma reavaliação do apoio do PDT à chapa majoritária”, afirmou Kleber, em entrevista ao Jornal de Hoje.

De acordo com o dirigente, que é o atual secretário-chefe do Gabinete Civil da Prefeitura de Natal, tido como principal auxiliar do prefeito Carlos Eduardo, o PDT não pleiteou nem fez nenhuma imposição para participar da chapa majoritária, seja indicando o vice-governador ou senador, nem firmou posição para a indicação de suplências do Senado.

“Ou seja, o PDT, que é um partido que tem uma representatividade eleitoral com muita substância, densidade, tendo a Prefeitura de Natal, a Prefeitura de Parnamirim, 36 vereadores no RN, o primeiro e o terceiro maior colégio eleitoral do Estado, precisava, dentro dessa intenção de apoio, haver uma reciprocidade por parte da chapa majoritária”, cobrou. “Até porque, o projeto do PDT é a eleição de um deputado estadual, conquistar uma vaga de deputado federal, e poder, a partir daí, no que é uma intenção não do diretório estadual, mas da executiva nacional do partido, porque é necessário que o PDT se fortaleça no Congresso, e para o RN, sobretudo a Prefeitura, é muito importante que tenhamos um deputado federal captando recursos junto a Brasília, abrindo portas, ministérios e fazendo interlocução com o governo federal, de forma que temos o projeto de conquistar uma vaga na Câmara federal e ampliação de vagas na Assembleia”, continuou.

Nesse sentido, o presidente do PDT em Natal explica que o partido esperava reciprocidade da chapa majoritária, com a cessão de colégios eleitorais do PMDB de Henrique e do PSB de Wilma para o PDT de Carlos Eduardo. “Política deve ser tratada como via de mão dupla, de forma que os colégios eleitorais pertencentes ao PMDB e ao PSB possam ser repassados a ajudar a compor a formação dos votos necessários para garantir a eleição do deputado federal e ampliação na Assembleia. E o que temos sentido na nossa militância é que, na prática, as pessoas estão sentindo que não está acontecendo de fato”, disse.

Kleber realça a proximidade das convenções, agora em junho, para alertar a gravidade da situação. “Estamos prestes a realizar convenção, no final do próximo mês, e as convenções são soberanas. O que significa que, independente da intenção de apoio declarada pelo PDT no evento do PMDB, isso poderá ser reavaliado internamente. E essa é a intenção de grande parte dos militantes do partido. A convenção é soberana. Vai decidir de fato qual será o apoio que o PDT vai dar à chapa majoritária. Então, isso vai ser decidido em convenção. A convenção é soberana e pode, realmente, diante do quadro, hoje, haver uma reavaliação”, reforça o secretário do prefeito.

Apesar de ressaltar a insatisfação dentro do PDT, Kleber Fernandes adianta que ainda espera pela reciprocidade. “Para que o PMDB e o PSB possam reconhecer o peso eleitoral que o PDT tem e representa no estado do RN, partido que tem o prefeito da capital com avaliação positiva superior a 75%. É um apoio que deve ter o devido respeito, a atenção, e a consideração devida, face a representação político eleitoral”.

Sobre a possibilidade de apoiar outra candidatura, como a de Robinson e a de Fátima, o dirigente pedetista disse: “Lógico, podemos reavaliar nesse sentido. Se for decidido no âmbito da convenção, terá que ser cumprido pela direção do partido. E no cenário atual, nós estamos percebendo uma insatisfação considerável junto à militância e às bases do partido. O PDT vai discutir internamente e estamos programando uma reunião interna com a Direção Estadual do partido e alguns diretórios municipais, para discutirmos os rumos do partido nessa eleição de 2014″, finalizou.

Compartilhar:
    Publicidade