Peemedebista acha que prestígio de Henrique fará alguma mudança no RN

Político, professor e agropecuarista entende que deputado reúne muitos partidos e fará governo de coalizão para desenvolver o RN

6Y65Y5Y34Y34Y

Joaquim Pinheiro

Repórter de Política

Integrante do Diretório Estadual do PMDB e suplente de vereador em Natal, o médico João Maria Marinho, que é também agropecuarista, entende que o povo do Rio Grande do Norte não pode perder a oportunidade de eleger o deputado Henrique Eduardo governador nas eleições deste ano por se tratar do político do Estado de maior prestígio nacional e consequentemente com maiores condições de tirar o Rio Grande do Norte da atual situação de dificuldade e colocá-lo no caminho do desenvolvimento. Ele lembra que a capital passa por um processo de transformação em razão, principalmente, do apoio do presidente da Câmara Federal ao prefeito Carlos Eduardo, cujo legado será uma realidade num futuro bem próximo. “O bom relacionamento institucional do deputado Henrique Eduardo com o Governo Federal poderá viabilizar mais recursos para o Estado e consequentemente para melhorar os serviços prestados à população norte-rio-grandense”, avalia o peemedebista

João Maria Marinho, conhecido como professo Joca, entende que o Estado vive uma das suas piores crises nos setores de saúde e segurança pública, que certamente serão prioridade num possível governo do PMDB comandado por Henrique Eduardo, segundo ele, por um político com experiência na vida pública e condições de realizar as mudanças e transformações necessárias para o desenvolvimento do Estado. Ele lembra que o Rio Grande do Norte tem potencialidades para desenvolver o turismo, a agricultura, a indústria e outros setores geradores de emprego e renda para o povo norte-rio-grandense. Professor Joca ressalta também o bom relacionamento que Henrique Eduardo tem com os prefeitos por ser um municipalista convicto e defensor de um novo Pacto Federativo para melhor a distribuição de verbas federais para os municípios.

UNIÃO PELO ESTADO

Sobre críticas com relação à união de vários partidos na coligação liderada pelo PMDB, tendo o PSB indicando o vice na pessoa de João Maia e o PSB apresentando Wilma de Faria para o Senado, o integrante do PMDB entende que chegou o momento da classe política unir-se num projeto apartidário para tirar o Rio Grande do Norte da atual situação de dificuldade em que se encontra. “Não existe essa história do acordão. O que vemos é um numero grande de partidos unidos em torno de um projeto para o Estado, onde prevalecerá o bem comum num somatório de esforços para que seja alcançado um objetivo. Nesta campanha estamos vendo no mesmo palanque as principais lideranças políticas do Rio Grande do Norte, a exemplo de Garibaldi Filho, Henrique Eduardo, Wilma de Faria, João Maia e vários outros que desejam construir um governo de coalizão para construir um novo Rio Grande do Norte”, ressaltou o peemedebista, lembrando que o radicalismo retrógrado e atrasado, passou.

Compartilhar:
    Publicidade