“Perdi a noção”, diz mulher acusada de matar com óleo quente

Crime ocorreu em Belo Horizonte em março do ano passado e acusada pode pegar até 30 anos de prisão

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Polícia Civil apresentou na manhã desta quinta-feira, no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa de Belo Horizonte, em Minas Gerais, uma mulher que confessou ter matado a colega de quarto ao jogar no rosto da vítima uma mistura de água e óleo fervendo.

O crime aconteceu em de março do ano passado em Santa Luzia, região metropolitana de Belo Horizonte, onde vítima e suspeita moravam com outras duas mulheres em uma pensão.

Luercilaine das Neves Delfino, 28 anos, foi presa no dia 17 de outubro de 2013  em Vitória, no Espírito Santo, e transferida para a capital mineira no início deste mês. À imprensa, ela disse que a vítima a atormentava: “Eu estava com raiva dela. Ela ficava me humilhando, me atormentando, e ainda deixava claro que era de propósito. Perdi a noção, só isso”.

Segundo o delegado Christiano Xavier, a vítima Tatiele Pereira de Matos, 21 anos, chegou a ser internada em um hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu: “A Luercilaine, apesar de dizer que não tinha a intenção de matar, é uma pessoa fria, que não mostra arrependimentos, e já havia tentado matar, 15 dias antes, a Tatiele colocando cloro na água dela.

Ela era uma mulher que não se socializava com as outras colegas de quarto e vinha se desentendo com a vítima. Um dia antes do crime, inclusive, elas se desentenderam por causa da luz acesa do quarto,” disse.

A suspeita aguarda julgamento detida, no Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) Centro-Sul do Bairro Santo Antônio, em BH. Ela foi indiciada pelo crime de homicídio duplamente qualificado por motivo fútil e por impossibilitar a defesa da vítima. Se condenada pode pegar até 30 anos de cadeia.

Fonte: Terra

Compartilhar:
    Publicidade