Perito do Itep é investigado por atrapalhar investigação policial

A investigação policial ficou prejudicada e a abertura do procedimento criminal e administrativo

89oo87o5

A Diretora do Instituto Técnico e Científico de Polícia, Raquel Taveira, solicitou a Polícia Civil e a Corregedoria da Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social que investigue o motivo pelo qual o perito de plantão no Laboratório de Análise e Pesquisa Forense do órgão, no último dia 28, não ter realizado exames no entorpecente apreendido pelos policiais do 2º Distrito Policial.

“Os documentos juntados ao meu pedido de investigação mostram que o setor tinha recebido o reagente para testes com este tipo de entorpecente, dois dias antes. Não havia motivos para o teste não ter sido realizado”, garantiu.

O reagente de que a diretora se refere é o Fast Blue B, um dos testes químicos cromatográficos mais utilizados para a triagem da Cannabis sativa L, a maconha.

Na semana passada, a juíza Emanuella Cristina Pereira Fernandes, titular da 9ª Vara Criminal de Natal, concedeu relaxamento da prisão do suspeito por tráfico de drogas, preso pelos policiais civis do 2º DP, argumentando que “não foi realizada nenhuma perícia no material apreendido, de modo que não é possível afirmar que uma determinada quantidade de erva de cor esverdeada, embalada em saco plástico, como consta no auto de exibição e apreensão se trata de maconha” [transcrito].

“A investigação policial ficou prejudicada e a abertura do procedimento criminal e administrativo é para que fique esclarecido de quem é a responsabilidade por isso. Esse foi o primeiro caso que chegou ao meu conhecimento, e se por ventura chegar mais algum, terá o mesmo direcionamento”, pontuou a diretora.

Compartilhar: