Pesquisa GPP traz empate entre Henrique e Robinson na disputa pelo governo do RN

Há empate técnico na disputa estimulada para o Governo do Estado. Pelo Senado, também há igualdade

54u45u54

Alex Viana

Repórter de Política

Levantamento do instituto GPP Planejamento e Pesquisa, contratado pela Rádio Cidade (94 FM), revela empate técnico entre o pré-candidato do PMDB, Henrique Alves, e o pré-candidato do PSD, Robinson Faria, na corrida pré-eleitoral pelo cargo de governador do Estado do Rio Grande do Norte nas eleições gerais de 2014. Se a eleição fosse hoje, o atual presidente da Câmara dos Deputados teria 28% dos votos, contra 26,9% do vice-governador. A margem de erro da pesquisa é de 4%, para mais ou para menos. A vantagem de Henrique sobre Robinson é de apenas 1,1%.

O instituto GPP realizou 600 entrevistas, entre os dias 20 e 23 de junho. A metodologia da pesquisa é do tipo quantitativa, através de levantamento estatístico por amostragem estratificada. Foram pesquisadas todas as regiões do estado. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o número RN-0003/2014.

Ainda se a eleição fosse hoje, segundo a pesquisa, o pré-candidato do PSOL a governador, Robério Paulino, teria 2,1% dos votos. A pré-candidata do PSTU, Simone Dutra, teria 1,3% dos votos. O pré-candidato do PSL, Araken Farias, teria 0,3% dos votos. Brancos e nulos somaram 26%. Não sabe ou não respondeu, 15,4%.

POLARIZAÇÃO

A principal constatação da pesquisa GPP é de que a eleição para o governo do Estado do Rio Grande do Norte, neste exato momento, encontra-se polarizada entre os candidatos Henrique Alves e Robinson Faria. A polarização, neste momento com empate técnico, indica probabilidade de haver segundo turno entre Henrique e Robinson, se esta tendência for mantida.

MUDANÇA DE VOTO

O instituto GPP levantou junto ao eleitorado potiguar a certeza de voto. Por essa sondagem, é possível saber a fidelidade do eleitor ao candidato escolhido. De acordo com a pesquisa, 65,3% dos eleitores do estado não mudam mais o voto, enquanto que 34,7%% disseram que podem mudar o voto.

De acordo com o levantamento, dos 28% que dizem votar em Henrique Alves para o governo, 63,6% afirmam que votarão com certeza no candidato, enquanto que 36,4% asseveram que ainda podem mudar o voto, resultando que 17,8% dos eleitores estão com o voto consolidado no peemedebista.

A amostragem revela ainda que, dos 26,9% que sufragam voto em Robinson, 69,5% declaram votar nele com certeza, enquanto que 30,5% asseguram que ainda podem mudar o voto, significando que 18,7% não mudam mais o voto no pessedista.

DESISTÊNCIA

Outro destaque da pesquisa GPP refere-se à eventual desistência de uma das candidaturas, informando para onde migrarão os votos. Se Henrique desistir de ser candidato, Robinson seria vencedor do pleito no primeiro turno, com 46,3% dos votos. Já se Robinson sair do pleito, Henrique também venceria no primeiro turno, com 37,9% dos votos.

Rejeição a Henrique é quase o dobro de Robinson

A pesquisa do instituto GPP também levantou a rejeição do eleitor potiguar aos pré-candidatos ao governo do Estado. Segundo a sondagem de intenção de voto, Henrique contabiliza a maior rejeição, com 11,6% dos entrevistados afirmando que jamais votará nele. Já o segundo a ostentar maior rejeição é Robinson. De acordo com o levantamento, 6,8% dos eleitores afirmam não votar nele de jeito nenhum.

A rejeição a Robinson é semelhante à da terceira colocada neste item, Simone Dutra. Conforme a pesquisa, a pré-candidata do PSTU é rejeitada por 6,6% dos eleitores. Robério vem logo em seguida, com 5,4%. Logo atrás dele aparece Araken, como o menos rejeitado: 5,2%.

A maioria dos eleitores entrevistados, entretanto, disse não rejeitar nenhum dos nomes: 52,6%. Já a parcela dos que rejeitam todos os nomes atinge a marca dos 15,6% dos eleitores. 5,9% não souberam dizer ou não responderam a esta pergunta.

REGIÕES

No cruzamento dos dados da pesquisa GPP de rejeição por região, Henrique é mais rejeitado na capital do estado. 15,4% dos natalenses disseram não votar no deputado de jeito nenhum para governador do Estado. Na região metropolitana, a imagem do peemedebista melhora: 9,5% rejeitam seu nome. No interior do estado, a rejeição ao presidente da Câmara é um pouco maior, de 10,5%

No caso de Robinson, é justamente em Natal a maior aceitação ao seu nome. Na capital, o pessedista é rejeitado por 5,3% dos eleitores – quase três vezes menos que Henrique. A maior rejeição a Robinson Faria se dá na região metropolitana, 7,6%, seguido do interior, com 7,2%.

Wilma de Faria derrota Fátima Bezerra para o Senado

Já na disputa pelo Senado, a pré-candidata do PSB, Wilma de Faria, venceria a eleição, derrotando a pré-candidata do PT, Fátima Bezerra, se a eleição fosse hoje. De acordo com o instituto GPP, a vice-prefeita de Natal teria 36,2% dos votos, contra 31,1% da deputada federal. Como na disputa pelo Senado não há segundo turno, Wilma seria eleita senadora.

Na pesquisa ao Senado, a pré-candidata do PSTU, Simone Dutra, desponta com 2,5% dos votos. O pré-candidato do PSOL, professor Laílson, teria 2,1% dos votos. O pré-candidato do PTC, Roberto Ronconi, teria 0,7% dos votos. Brancos e nulos somaram 19,5%. Não sabe ou não respondeu, 7,9%.

REGIÃO

Na sondagem por região, Fátima vence Wilma em Natal pelo placar de 34,6% contra 32%. Em compensação, na região metropolitana, Wilma leva vantagem, vencendo a petista por diferença superior a 10 pontos percentuais (37,5% a 30,6%). A vice-prefeita também derrotaria Fátima no interior do Estado, por 37,7% a 30,6%.

Dilma Rousseff vence Aécio e Campos no primeiro turno no RN

Se a eleição presidencial no Rio Grade do Norte fosse hoje, a presidente Dilma Rousseff, do PT, seria reeleita no primeiro turno, derrotando os pré-candidatos do PSDB, Aécio Neves, e do PSB, Eduardo Campos.

A vitória de Dilma sobre Aécio e Campos, segundo o instituto GPP, seria maiúscula. A petista teria 46,9% dos votos, contra 12% do tucano e 7,2% do socialista. O pastor Everaldo, do PSC, teria 6,3% dos votos. Luciana Genro, do PSOL, 0,4%. Brancos e nulos contabilizaram 17%. Não sabe ou não respondeu, 10,2%.

REGIÃO

Na sondagem por região, Dilma aparece melhor na área metropolitana, com 53,9% dos votos, seguido pelo interior, 45,9%, e Natal, 44,6%. Aécio é melhor no interior, com 12,7%, seguido pela capital, 12%, e região metropolitana, 9,4%. Campos se sai melhor em Natal, com 8,1%, seguido de interior, 7,8%, e região metropolitana, 3,9%. Everaldo está bem na capital, 8%, depois na Grande Natal, com 7,3%, e, por último, no interior, com 5,3%. Luciana Genro tem 8% em Natal e 0,2% no interior. Ela não contabilizou votos na região metropolitana.

Eleitor de Dilma e Campos vota em Robinson; votos de Aécio vão para Henrique

A pesquisa do instituto GPP é bastante completa, ao realizar diversos cruzamentos e sondagens interessantes. A pesquisa contratada pela Rádio Cidade identificou, por exemplo, a origem dos votos presidenciais dos candidatos a governador. Nesse quesito, constata-se que a maioria dos eleitores de Dilma vota em Robinson para o governo. Já os eleitores de Aécio preferem dar o voto a Henrique.

Segundo o levantamento, dos 46,9% dos eleitores de Dilma, 34% votam em Robinson para governador, enquanto que 33,3% votam em Henrique. Entre os 12% de eleitores que votam Aécio, a maioria, 35,9%, vota em Henrique, enquanto 32,3% votam em Robinson.

Outro destaque deste cenário são os votos de Eduardo Campos no Rio Grande do Norte. De acordo com o GPP, dos 7,2% que votam no ex-governador pernambucano, a maioria, ou 41,3%, vota em Robinson para o governo, enquanto que 27,4% votam em Henrique, donde se conclui que os eleitores de Robinson estão identificados com as candidaturas de Dilma e Campos, enquanto que os eleitores de Henrique se identificam com a candidatura de Aécio Neves à Presidência da República.

Reprovação da gestão Rosalba Ciarlini atinge 93,4% em Natal

Do total de eleitores do Rio Grande do Norte, quase 90%, ou 89,5%, reprovam a administração da governadora Rosalba Ciarlini (DEM). Está é mais uma constatação da pesquisa GPP e parceria com a Rádio Cidade. Em Natal, a reprovação de Rosalba atinge a marca impressionante de 93,4%. Na capital, a governadora é aprovada por apenas 5,1% dos eleitores.

De acordo com a pesquisa, no geral, em todo o estado, apenas 1,6% dos entrevistados considera o governo ótimo, 5,7% classificam a gestão como boa, 21,9% como regular, 14,8% como ruim e 52,8% como péssima. A soma de péssima com ruim e regular resulta em 89,5%. Já a soma dos que consideram a administração ótima ou boa é 7,3%. Não souberam opinar ou não responderam 3,2% dos entrevistados.

OPÇÕES

Dos 7,3% dos eleitores que aprovam o governo Rosalba Ciarlini, a maior parte, 44%, vota em Henrique para governador, enquanto que 23,8% votam em Robinson; 2,5% em Robério; 2,4% em Simone e zero em Araken Farias. Dos 89,5% que reprovam Rosalba, a maior parte, 61,4%, vota em Robinson, enquanto que 51,8% vota em Henrique.

Do total de entrevistados na pesquisa GPP, a maior parte, 53,4%, disse considerar que a imagem de Robinson como político é positiva. Henrique tem a imagem positiva para 48,8% dos eleitores. Robério tem imagem positiva para 10,3% dos entrevistados. Simone para 9,3% e Araken para 7,5%.

Já a imagem negativa é atribuída primeiramente a Henrique. Ele é considerado de imagem negativa por 30,6% dos entrevistados. Robinson tem a imagem negativa para 21,7% dos pesquisados. Robério para 14,6%, Simone para 16,1% e Araken para 15,4%.

A pesquisa levantou que o atual presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves, é o mais conhecido político na disputa pelo comando do governo do Rio Grande do Norte nessas eleições.

De acordo com o levantamento, Henrique é desconhecido por 7,6% dos entrevistados. Atrás dele, aparece o vice-governador Robinson Faria. O pré-candidato do PSD é um político estranho a 9,7% da população do Estado.

Os mais desconhecidos, entretanto, são os candidatos considerados de partidos nanicos e palanques raquíticos. Robério é desconhecido por 67,8% dos entrevistados, Simone por 67,3% e Araken por 70,5%.

Entre os eleitores que preferem Robinson para o governo, destacam-se os homens e os jovens entre 12 e 24 anos e os adultos entre 25 e 34 anos. Já o eleitor de Henrique é majoritariamente mulher e concentra-se na faixa etária dos 35 anos aos mais de 60 anos.

Segundo o instituto GPP, os eleitores de Robinson são 32,3% homens e 22,2% mulheres – uma diferença de mais de 10%. Já o eleitor de Henrique é equilibrado, sendo 28,5% homens e 27,3% mulheres.

Quanto à idade, os eleitores de Robinson são predominantemente jovens. Na faixa dos 16 aos 24 anos, o vice-governador desponta com 37,7% dos eleitores, enquanto que o deputado federal tem 22,9%.

Na faixa etária dos 25 anos aos 34 anos, 28,4% votam em Robinson, contra 20,9% de Henrique. Na idade dos 35 aos 44, Henrique inverte e passa a liderar, com 31,9% dos votos, contra 26,7% de Robinson.

Henrique vence Robinson ainda nas faixas de 45 a 59 anos (33,1% a 21,9%), e 60 anos ou mais (31,8% a 20,1%).

Entre os eleitores de renda familiar mais elevada, Henrique lidera a preferência. Dos que ganham acima de cinco salários mínimos, 36,7% preferem Henrique governador, enquanto que 16% preferem Robinson.

Compartilhar:
    Publicidade