Pesquisadora diz que Hitler casou com negra e viveu seus últimos dias no Pantanal

Alemão misterioso que vivia no interior do Mato Grosso levanta suspeitas

O ditador alemão Adolf Hitler, responsável por uma das maiores carnificinas da história, se matou quando se viu cercado por tropas russas no final da Segunda Guerra Mundial. Essa é a versão oficial dos fatos. Mas a pesquisadora Simone Dias tem uma nova tese para o fim da vida do nazista: ele teria fugido para o Brasil, onde teria se casado com uma brasileira e passado seus últimos dias.

Para entender essa história, o Domingo Espetacular foi até Nossa Senhora do Livramento (MT), uma cidade de pouco mais de 10 mil habitantes, quase dentro do Pantanal.

A suspeita da professora, formada em educação artística, começou há dez anos, quando Simone ouviu alguns relatos a respeito de uma figura misteriosa, um alemão que vivia do Brasil, de nome Adolfo.

Em Israel, o correspondente Herbert Moraes ouviu dois dos maiores especialistas em nazismo do mundo. O brasileiro Avrahan Milgram defende a tese de que Hitler se matou e que os ossos dele foram encontrados por soldados russos.

Mas um professor israelense, da Universidade Hebraica de Jerusalém, diz: Hitler pode ter fugido para a América do Sul.

— O elemento mais realista é o fato histórico de que muitos criminosos nazistas tiveram êxito em fugir para a América Latina, principalmente para a Argentina, e alguns para o Brasil e Paraguai.

7k78k7k7

 

Fonte: R7

Compartilhar:
    Publicidade