Petição contra abate de jumentos no RN reúne 55 mil assinaturas

Representantes do SVB estiveram reunidos com o procurador Rinaldo Reis

I67I676I67I

Carolina Souza

acw.souza@gmail.com

Em um rápido encontro com representantes da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), o procurador-geral do Ministério Público do Rio Grande do Norte, Rinaldo Reis, recebeu uma petição com 55 mil assinaturas contra as ações de abate de jumentos no Rio Grande do Norte. A petição, resultado de uma campanha nacional, vem combater a ideia do promotor de Justiça da comarca de Apodi, Silvio Brito, que propôs o abate dos animais para consumo humano.

A ideia do promotor de Justiça, que chegou a promover no município de Apodi um almoço para degustação da carne, foi defendida por Rinaldo Reis, que chegou a declarar a O Jornal de Hoje que “é melhor os jumentos serem criados para possível abate e consumo humano do que sofrerem maus tratos”. Para o procurador-geral do MP, o abate surge como uma solução viável para acabar com os maus tratos aos animais, que são costumeiramente encontrados em situação de descaso ou de abandono.

Determinado a impedir que a prática do abate se perpetue pelo Rio Grande do Norte e outros estados do país, a Sociedade Vegetariana Brasileira resolveu buscar apoio das pessoas que não concordam com a conduta do Ministério Público. Por telefone, Guilherme Carvalho, representante da SVB que esteve em Natal nesta sexta-feira, falou a este vespertino que há soluções mais éticas a serem adotadas em prol desses animais.

“As 55 mil pessoas que assinaram essa petição, pessoas de todo o território nacional, estão indignadas com tal medida do MPRN. Eles acreditam, assim como a SVB, que esta não é a forma correta para resolver o problema dos jumentos. O abate não é a melhor solução para acabar com os trabalhos de ‘burros de carga’ ou abandono”, declarou.

Guilherme acrescentou que o encaminhamento específico que será dado após a entrega da petição ainda será discutido. Mas, a princípio, é esperado que o procurador Rinaldo Reis venha mudar de opinião. “Queremos que ele reveja essa posição a favor do abate. Caso ele recolha-se a não mudar de opinião, nós nos antecipamos e protocolamos ofício no Conselho Nacional do Ministério Público, órgão superior”, destacou.

“Nós defendemos que as mesmas soluções discutidas para cães e gatos também sirvam para os jumentos. Esperamos que eles possam ser adotados, seja por pessoas físicas ou jurídicas, e possam ter uma vida digna”, disse Guilherme Carvalho. Ele ainda explicou que o Rio Grande do Norte poderia se inspirar em uma ação que funciona no município de Santa Quitéria, no Ceará.

O Detran do Ceará é responsável por recolher todos os jumentos que são encontrados em abandono nas estradas e encaminhados a uma propriedade específica de acolhimento a esses animais. Atualmente existem mais de cinco mil jumentos sendo devidamente alimentados e tratados, com mantimento por parte do Detran e de outros órgãos associados.

“É possível que o estado do Rio Grande do Norte também adote uma postura dessas. Uma medida ética e em respeito aos animais, agregando inclusive valor educativo a ação, de modo que a população possa conhecer melhor os animais”, afirmou o membro da SVB.

Compartilhar:
    Publicidade