Petroleira de Eike sai do prejuízo e lucra R$ 213 milhões no trimestre

Ajudado pela variação cambial, resultado financeiro da ex-OGX foi de R$ 173 milhões no período

Conheça as manias e excentricidades do empresário Eike Batista. Foto: Divulgação
Conheça as manias e excentricidades do empresário Eike Batista. Foto: Divulgação

A Óleo e Gás Participações, ex-OGX, teve lucro líquido de R$ 213 milhões no primeiro trimestre, revertendo prejuízo de 805 milhões de reais registrado um ano antes, num resultado impulsionado pela receita de variação cambial.

O resultado financeiro da petroleira ficou positivo em R$ 173 milhões no trimestre, beneficiado pela receita de variação cambial apurada sobre o passivo líquido em moeda estrangeira, que somou R$ 420 milhões e mais do que compensou as despesas financeiras do período.

Entre janeiro e março, a receita líquida da Óleo e Gás caiu 23,5% na comparação anual, a R$ 221 milhões.

A geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), por sua vez, recuou 52,7% sobre igual trimestre do ano passado, a R$ 35 milhões.

A empresa informou que o campo de Tubarão Martelo, em operação desde dezembro de 2013, produziu 967 mil barris de óleo no primeiro trimestre, média de 11 mil barris por dia.

Já o campo de Tubarão Azul teve uma produção total de 246 mil barris até março, média de 4,2 mil barris por dia. O campo voltou à atividade em fevereiro deste ano.

O presidente-executivo da companhia, Paulo Narcélio, comentou os resultados.

“A OGPar continua focada na sua reestruturação financeira e em receber a aprovação para a solução de suas dívidas na Assembleia Geral de Credores”.

A solução para as dívidas da companhia será votada em Assembleia Geral de Credores marcada para 3 de junho.

A Óleo e Gás disse que, dos novos recursos previstos no plano de recuperação, 125 milhões de dólares já foram aportados por meio de um financiamento, sendo que estão previstos outros US$ 90 milhões que serão recebidos assim que o plano for aprovado.

“Esses recursos serão convertidos em capital, assim como as demais dívidas”.

Fonte: R7

Compartilhar:
    Publicidade