PF vendido no McDonald’s é caro e feito com mistura de hambúrguer

Pratos de arroz com feijão estão em cardápio à parte e são limitados a dois por dia

McPF: arroz, feijão, hambúrgueres, farinha, salada e fruta. Foto: Divulgação
McPF: arroz, feijão, hambúrgueres, farinha, salada e fruta. Foto: Divulgação

Arroz, feijão, alface, cebola, tomate, ervilha, milho, farinha e dois hambúrgueres — acompanha fruta e água. A rede de fast food McDonald’s oferece pratos executivos como esse no Brasil desde 2010.

Vendidos como “alimentação balanceada”, esses combos são caros e trazem como acompanhamento as carnes dos sanduíches tradicionais, como hambúrgueres e nuggets.

O PF (prato feito) do McDonald’s foi criado por determinação da Justiça brasileira, após funcionários reclamarem que os lanches e fritas servidos pela empresa não eram saudáveis.

A lanchonete então criou um cardápio para os trabalhadores e estendeu a oferta aos clientes, mas não a incluiu no menu principal. Os pratos estão em um cardápio à parte que pode ser consultado pelos clientes.

São uma ou duas opções a cada dia da semana, mas com a mesma base: arroz, feijão, salada variada e fruta. O que muda é o acompanhamento.

Na lanchonete visitada pela reportagem na última quinta-feira (15), o prato do dia continha “carne de regular — duas unidades”, que nada mais eram do que dois hambúrgueres.

Para os outros dias da semana, o cardápio oferecia “chicken McNuggets”, “carne de McFish”, “carne de chicken McJunior” e “carne de Quarteirão”.

Aos sábados e domingos o cardápio traz duas opções, sendo uma delas o Big Mac, carro chefe da lanchonete, acompanhado de salada e legumes.

Os combos trazem ainda água ou suco de lata. Clientes que desejam tomar refrigerante devem pagá-lo à parte, com exceção dos finais de semana.

Compra depende de gerentes

Como não estão no menu principal, os pratos passam despercebidos por clientes e até mesmo pelos funcionários. Na última quinta-feira (15), a reportagem precisou ir a duas lanchonetes em São Paulo para ter o pedido atendido.

Na primeira tentativa, no restaurante localizado na área externa do shopping Center 3, na avenida Paulista (um dos principais pontos turísticos da cidade), a funcionária que atendeu a reportagem sorriu com o pedido e, em seguida, negou o prato. Sem consultar o gerente, a atendente sacramentou: “Aqui é só hambúrguer”.

Já na unidade da rua Pamplona, a seis quarteirões do centro comercial, o atendente confirmou a oferta e mostrou de imediato o cardápio de PFs. Em dúvida sobre a composição dos pratos, ele chamou a gerente, que o auxiliou até a entrega final. Em menos de sete minutos a refeição foi servida.

O preço do “McPF”, no entanto, não é atrativo. Vendido por R$ 23, é mais caro que os combos de sanduíches da própria rede, e também na comparação com outros pratos executivos da região.

Na praça de alimentação do shopping Center 3, por exemplo, dos 22 restaurantes que servem refeição, apenas cinco oferecem o “prato feito” com arroz e feijão.

Nesses locais, os preços mínimos dos PFs acompanhados de filé de carne ou filé de frango variam entre R$ 14,90 e R$ 19,90.

Segundo a assessoria do McDonald’s, os pratos não são divulgados no cardápio principal da lanchonete por uma questão de mercado, já que o produto não é o foco da empresa.

Uma outra regra de mercado também serve de alerta aos clientes: quando for a um restaurante, o melhor a pedir é a especialidade da casa.

Fonte: R7

Compartilhar:
    Publicidade