Pimenta na campanha – Danilo Sá

A tática é bem comum por estas terras de Câmara Cascudo. Aliás, estranho seria se fosse diferente. Há alguns dias,…

A tática é bem comum por estas terras de Câmara Cascudo. Aliás, estranho seria se fosse diferente. Há alguns dias, têm ficado mais quente o horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão. E, claro, os motivos são os números não muito animadores de Robinson Faria, segundo colocado na disputa ainda no sonho por conseguir a garantia do segundo turno.

Foi do vice-governador a iniciativa pelo ataque. Desde a última segunda-feira, é bem mais grave e mais forte o tom dos programas de Robinson. São muitas as críticas diretas e indiretas feitas ao candidato do “acordão”, como ele faz questão de se referir ao adversário, Henrique Eduardo Alves. A última produção exibiu desde uma senhora natural de Angicos, terra natal da família Alves, dizendo que o presidente da Câmara jamais fez algo pela sua cidade até um autêntico humorista, ironizando o senador José Agripino.

Por enquanto, é impossível saber até onde irá as críticas. Também é imprevisível imaginar o efeito prático desta nova postura de Robinson na campanha, principalmente por ter sido assim, repentina, poucos dias depois da publicação de uma série de pesquisas eleitorais nada agradáveis para ele. Para as duas questões, só o tempo nos dará uma resposta.

Mas, de certa forma, a mudança do vice-governador era a pimenta que faltava para dar algum gosto a uma disputa tão insossa, incapaz de tirar o potiguar do sofá, mesmo sendo ele um povo apaixonado pela campanha política. O tom agressivo deverá dividir os exércitos, fazer os guerreiros arregaçar suas mangas e, finalmente, começar uma batalha na expectativa de vitoriosos e derrotados.

TIRO…

Ao apostar nas duas críticas aos adversários, Robinson Faria, claro, abre espaço para também ser atingido. Ontem, por exemplo, ao acusar Henrique de jamais ter feito algo por Angicos, deixa aberta a porta para que o peemedebista enumere com o apoio até das lideranças da região, as emendas que destinou para as cidades como deputado federal. Tarefa fácil para qualquer assessor cumprir.

… NO PÉ

Mas, pior para Robinson mesmo foi a tentativa de ironizar José Agripino, que, aliás, foi seu líder político durante anos. O programa do vice-governador disse que o Democrata foi o responsável pelas vitórias de Micarla de Sousa para prefeita de Natal e de Rosalba Ciarlini para o governo do Estado. É verdade, o senador foi diretamente responsável pelo êxito de ambas. Mas, Robinson também estava no palanque das duas.

CRISE I

Não anda nada bem a relação do prefeito Carlos Eduardo com sua bancada aliada na Câmara Municipal. Simplesmente o gestor decidiu separar o CNPJ do legislativo do Executivo. Ou seja, com isso, a Prefeitura deixa de se responsabilizar por possíveis dívidas deixadas pelos vereadores. Mas, o detalhe é que tudo isso foi feito sem o presidente da Casa, Albert Dickson, sequer ter sido comunicado.

CRISE II

Bastante insatisfeito, Albert já comunicou ao prefeito que não aceita ser tratado como se fosse um adversário da administração municipal, como o ato acabou deixando parecer. E isso tudo vem poucos dias depois de Carlos Eduardo ter exonerado dezenas de comissionados indicados por vereadores e secretários que não apoiam Agnelo Alves e Sávio Hackradt, para deputado estadual e federal respectivamente.

CRISE III

Aliás, por falar na exoneração dos que não apoiam os candidatos do prefeito, a irritação dos vereadores com as recentes atitudes de Carlos Eduardo já começam a ter reflexo. Em apenas uma semana, a casa aprovou a convocação dos secretários de Saúde, Cipriano Maia, e de Serviços Urbanos, Raniere Barbosa, para prestar esclarecimentos sobre serviços e gastos da Prefeitura. Seria um aviso?

CRISE IV

O fato é que Carlos Eduardo jamais foi muito habilidoso no seu relacionamento com o legislativo, tanto no atual quanto no antigo mandato, encerrado em 2008 em meio a uma forte crise com os vereadores da época. Mais uma vez, o prefeito demonstra dar pouca importância a “Casa do Povo”, tomando suas decisões sozinho e de cima para baixo. Resta saber se, no final da sua administração, a bancada continuará aliada.

EDUCAÇÃO

A Prepara Cursos, maior rede de cursos profissionalizantes do país, acaba de lançar o aplicativo do Programa Mais Empregos – PME. Com ele, os candidatos terão acesso à oportunidade de trabalho na palma da mão. Ao efetuar seu cadastro no sistema, o candidato escolhe a unidade Prepara Cursos mais próxima, mesmo que não seja aluno da escola. E, cada vez que surge uma vaga com seu perfil e vinculada à unidade escolhida, ele recebe notificações em seu celular.

GREVE

A Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Amatra) declarou apoio ao movimento grevista promovido pelos servidores da Justiça Federal, que visa discutir melhorias salariais da categoria e a defesa da autonomia do Poder Judiciário. A presidente da entidade, Maria Rita Manzarra, diz que a entidade não aderiu ao movimento, mas considera legítima a iniciativa.

GIRA MUNDO

O governo federal, por meio da Secretária de Portos, investiu R$ 31 milhões a menos no primeiro semestre deste ano em portos, quando comparado ao mesmo período do ano passado. Da verba prevista de R$ 1,3 bilhão para ser executada nos 18 portos sob a responsabilidade das estatais chamadas Companhias Docas, só R$ 140,9 milhões foram realmente aplicados, isto é, apenas 10,8%. Enquanto isso, em Cuba, foi construído um porto novinho. Coisas do Brasil.

Compartilhar: