Pneus lisos, falta de óleo e até de combustível deixam 40 viaturas paradas no RN

No pátio de transportes 40 carros e seis motos estão parados pelos mais variados problemas mecânicos

Veículos estão abandonados há tanto tempo, que mato cresce dentro da viatura. Foto: Wellington Rocha
Veículos estão abandonados há tanto tempo, que mato cresce dentro da viatura. Foto: Wellington Rocha

Ainda de acordo com a reportagem do SBT Brasil, exibida ontem em rede nacional, a situação das delegacias e das demais viaturas de Polícia do Estado também preocupam.   Dezenas de veículos que deveriam estar contribuindo na segurança dos cidadãos, estão parados no pátio do Departamento de Transportes do setor, na Ribeira, por falta de manutenção e sem previsão para voltar às ruas.

Essa não é a primeira vez que a segurança do RN é alvo de críticas a nível nacional. Na semana passada o Conselho Nacional de Justiça divulgou que o estado é o segundo do Brasil que mais devolveu verba federal destinada ao setor. E no último final de semana, a revista Época comparou a situação dos presídios potiguares ao caos registrado no Maranhão.

No pátio do departamento de transportes 40 carros e seis motos estão parados pelos mais variados problemas mecânicos. Troca de óleo, peças danificadas, pneus velhos e até falta de combustível são algumas das dificuldades enfrentadas pela Polícia Civil para recolocar as viaturas na rua.

O responsável pelo setor foi procurado pela equipe do O JORNAL DE HOJE, mas estava de férias, e o responsável em sua ausência não quis se pronunciar. Um dos funcionários afirmou que os carros não estão ali há muito tempo. Mas as imagens mostram o mato crescendo inclusive dentro das viaturas abandonadas, com os automóveis em total estado de deterioração.

Durante a reportagem, são exibidas as condições estruturais de duas delegacias. Logo na entrada do 15º Distrito Policial, localizado no bairro da Redinha, o portão de madeira mostra a insegurança que os profissionais daquela unidade vivenciam. A laje do teto está comprometida podendo cair a qualquer momento. A maioria dos móveis estão deteriorados, enquanto o computador da sala de investigações está quebrado. Ainda foram encontrados coletes vencidos, além de faltar armas para os agentes. Quatro carros e duas motos apreendidas estão encostadas, apesar do diretor da unidade já ter solicitado a remoção dos veículos.

O 4º Distrito Policial também foi exibido em rede nacional. As viaturas não possuem rádios de comunicação dificultando o trabalho dos agentes. Os únicos rádios dentro do distrito não funcionam por falta de bateria. Uma cela abandonada é utilizada como arquivo policial. Em outro Distrito, os presos são algemados no chão, por falta de estrutura física.

A reportagem relembrou a greve dos policias civis no ano passado que durou três meses, e que só foi parada porque a governadora Rosalba Ciarlini prometeu que a situação seria resolvida. Mas o relatos mostram que nada foi feito ainda. O Presidente do Sindicato dos Policiais Civis do RN, Djair Oliveira, lembra que a situação só se agrava. “Os nossos policiais não tem condições algumas de trabalhar. Sem contar nas condições físicas das delegacias, nós trabalhamos com nosso próprio dinheiro, colocando combustível, usando nossos próprios computadores, armas, isso é um descaso”.

Compartilhar: