Polícia Civil apresenta balanço das ações realizadas durante a Copa do Mundo

As delegacias de plantão tiveram o maior registro de ocorrências junto com a DEATUR

Foto: Canindé Soares
Foto: Canindé Soares

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte concedeu entrevista coletiva, na manhã dessa sexta-feira (27), para apresentar o resumo dos trabalhos desenvolvidos durante a Copa do Mundo em Natal. Durante o período dos jogos realizado no Arena das Dunas, a Polícia Civil contou com um efetivo de 155 policiais civis, dentre delegados, agentes e escrivães. O número de registros de ocorrência foi considerado baixo, totalizando apenas 42 ocorrências.

Ao todo 12 delegacias atuaram de forma especial durante o evento. São estas: Uma delegacia interna dentro do estádio; 2ª DP; 5ª DP; Delegacia Especializada no Atendimento ao Adolescente Infrator (DEA); Delegacia Especializada Na Defesa da Criança e do Adolescente (DCA); Delegacia de Narcóticos (DENARC); Delegacias de Plantão Zona Sul e Zona Norte; Delegacia Especializada Na Assistência ao Turista (DEATUR); e Divisão Especial de Investigação e de Combate ao Crime Organizado (DEICOR). A Polícia Civil também atuou com duas delegacias móveis instaladas no entorno do estádio e no Fifa Fan Fest.

Foram registrados 42 boletins de ocorrência, entre perda de documentos, furto, roubo, lesão, perda de objetos e estelionato, além de autuações no artigo 41 do estatuto do torcedor (venda ilegal de ingressos por cambistas). As delegacias de plantão tiveram o maior registro de ocorrências junto com a DEATUR.  Nesse período foram apreendidos 219 ingressos com cambistas, sendo que destes 215 foram com um turista grego (totalizando a quantia de R$ 67 mil), dois com um brasileiro e dois ingressos com dois alemães.

Pontos Positivos

Segundo o delegado Roberto Andrade, que coordenou o trabalho da Polícia Civil durante os jogos da Copa do Mundo em Natal, um dos pontos positivos foi a integração dos policiais civis com os demais agentes de segurança pública e outros órgãos. “A integração foi um grande legado dessa Copa e o baixo índice de ocorrências mostra a força da união entre as polícias”, relatou.

Além disso, outro destaque foi no último dia 14 de Junho, quando a Polícia Civil, através da Delegacia Especializada em Atendimento ao Turista (Deatur) e do Núcleo de Inteligência da Polícia Civil (NIP), ajudou o turista mexicano Erick Tejeda Hernandez a conseguir recuperar sua mochila com seus documentos e outros pertences, perdidos por ele dentro de um ônibus em Natal. A ação policial possibilitou que uma mulher pudesse devolver os pertences que haviam sido encontrados por ela.

Outro ponto positivo destacado pelo delegado foi o exemplo de civilidade dos torcedores japoneses que trouxeram sacos de lixo ao estádio Arena das Dunas, onde recolheram o lixo após a partida ente Japão e Grécia.

Fato lamentável

Para o delegado Roberto Andrade, o único fato lamentável foi a agressão do atacante uruguaio Luis Suárez, que deu uma mordida no ombro do zagueiro Giorgios Chiellini, durante a partida entre Uruguai e Itália, no último dia 24 de Junho, no estádio Arena das Dunas. “Nós tínhamos duas equipes da Polícia Civil no estádio à disposição da vítima. Além disso, nós ainda procuramos a delegação da Itália para saber se o jogador queria fazer o registro da ocorrência e encaminhá-lo ao ITEP para fazer o exame de corpo e delito, no entanto, até o momento não houve interesse”, explicou. Esse crime só é investigado mediante representação da vítima (artigo 129 do CPB). Segundo a legislação brasileira, o zagueiro italiano tem até seis meses para procurar a polícia e registrar a agressão.

Compartilhar: