Polícia desmonta rede que vendia carne de cavalos em supermercados

Polícia prende na região sul 21 envolvidos na falsificação de documentos de animais usados no teste de remédios

Carne de cavalo podia ser encontrado nos supermercado em forma de hamburguer. Foto:Divulgação
Carne de cavalo podia ser encontrado nos supermercado em forma de hambúrguer. Foto:Divulgação

Carne de cavalos usados em procedimentos de laboratório para desenvolvimento de remédios foi vendida como própria para o consumo humano, disseram investigadores nesta segunda-feira.

Oficiais da Polícia Nacional Francesa, acompanhados por agentes da vigilância sanitária e veterinários investigadores, realizaram batidas policiais em 11 regiões do sul da França antes do amanhecer, prendendo 21 pessoas.

Um porta-voz da companhia farmacêutica Sanofi disse usar cavalos para incubar antibióticos na fabricação de soros destinados a várias finalidades, desde raiva a mordidas de cobra, e que os animais estavam saudáveis, mas não certificados como próprios para consumo humano.

Alain Bernal, porta-voz da divisão de vacinas da Sanofi, disse que a empresa coopera com as investigações, mas ainda não sabia há quanto tempo a fraude estava em andamento.

“Isso pode envolver centenas de cavalos caso ocorra há muitos anos. Nos últimos três anos, dispensamos cerca de 200 cavalos”, disse à Reuters.

Estações de rádio disseram que os cavalos eram vendidos a comerciantes suspeitos de falsificar documentos veterinários para que os animais pudessem servir como alimento. Entre os detidos estão produtores de carne, comerciantes e veterinários.

Um comunicado de forças do governo disse que cem policiais, juntamente com inspetores da brigada veterinária nacional, realizaram incursões em 11 distritos.

O ministro francês de Defesa do Consumidor, Benoit Hamon, disse que a operação surgiu a partir de um aumento no monitoramento do setor depois que uma empresa francesa de processamento de carne esteve envolvida este ano num escândalo sobre refeições congeladas com carne de cavalo vendidas como carne bovina.

O escândalo, iniciado em janeiro quando o DNA de cavalo foi encontrado em hambúrgueres congelados vendidos em supermercados irlandeses e britânicos, envolveu comerciantes e abatedouros da Romênia à Holanda.

A carne de cavalo tem perdido espaço no paladar dos consumidores franceses, embora ainda possa ser encontrada em açougues especializados.

Fonte:IG

Compartilhar: