Policiais acampados no Centro Administrativo iniciam ação por segurança

PMs estão no local desde a última terça-feira e protestam contra más condições de trabalho no Estado

A situação é enfrentada em quase todos os batalhões e também pelo Esquadrão Águia, que é ligado ao Comando de Polícia Rodoviária Estadual (CPRE). Foto: Heracles Dantas
A situação é enfrentada em quase todos os batalhões e também pelo Esquadrão Águia, que é ligado ao Comando de Polícia Rodoviária Estadual (CPRE). Foto: Heracles Dantas

Alessandra Bernardo
Repórter

Acampados em frente ao prédio da Governadoria do Estado desde a última terça-feira, os praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros iniciaram hoje a ação “Segurança com Segurança”, para atrair a atenção da sociedade para as precárias condições de trabalho em que atuam nas ruas das cidades. Hoje, policiais militares do Esquadrão Águia e dos batalhões de Parnamirim e das zonas norte e sul de Natal, ou seja, do 3º, 4º e 5º, respectivamente, paralisaram as atividades e trabalharam seguindo algumas restrições.

“Os policiais continuarão trabalhando, mas dentro daquilo que o Governo do Estado dá de condições para que eles possam atuar. Infelizmente, a situação é crítica não apenas nestes três batalhões que cobrem áreas importantes e grandes da Região Metropolitana de Natal, mas em outros. No entanto, inicialmente, os policiais lotados nos três batalhões e no Esquadrão Águia aderiram ao movimento. A nossa expectativa é que militares de outras áreas também atendam à ação”, explicou o presidente da Associação de Subtenente e Sargentos da Polícia e Bombeiros Militares (ASSPMBM/RN), Eliabe Marques.

Ele esclareceu que as condições precárias que os policiais reclamam estão ligadas à segurança dos profissionais, que atuam sem equipamentos básicos de proteção individual e de trabalho em conjunto, como as viaturas. Sobre estas, Eliabe disse que muitas circulam com pneus carecas ou buchudos (danificados pelas constantes acelerações e frenagens, comuns em perseguições a criminosos), sem extintores de incêndio, sem cintos de segurança para todos os ocupantes ou ainda com a documentação atrasada.

A situação é enfrentada em quase todos os batalhões e também pelo Esquadrão Águia, que é ligado ao Comando de Polícia Rodoviária Estadual (CPRE), com o agravante de que os profissionais que atuam neste setor trabalham com motocicletas. “Também trabalham com capacetes vencidos, pneus carecas e buchudos, sem joelheira, cotoveleira, luvas ou tornozeleiras. Ou seja, eles estão duplamente expostos a um acidente grave e a sofrerem consequências mais graves. Além do risco para as pessoas com quem eles cruzam nas ruas, claro”, disse Eliabe.

No 3º Batalhão, em Parnamirim, além dos mesmos problemas enfrentados pelo 4º BPM, na zona Norte e pelo 5º, na zona Sul, os policiais ainda precisam revezar o policiamento ostensivo em uma única viatura, conforme Eliabe. “A situação é grave e o pior, ele completa o policiamento na zona Sul de Natal, já que Parnamirim é colada com Natal e a divisão entre os dois municípios é vago. Infelizmente, os policiais vão trabalhar conforme as condições que o Estado oferece a eles, o que quer dizer que o policiamento nas regiões cobertas por essas unidades será comprometido. E ainda tem o Carnatal”, explicou Eliabe.

Acampamento continua

A ação “Segurança com Segurança” faz parte das mobilizações promovidas pelas Associações de Praças para que o Projeto de Lei de Promoção de Praças seja colocado em votação na Assembleia Legislativa ainda este ano.

Eles aguardam desde fevereiro passado a tramitação do Projeto de Lei de Promoção de Praças, que prevê a garantia de ascensão profissional aos militares. Porém, desde que foi protocolado, o documento parou na Secretaria de Administração.

“O acampamento em frente ao prédio da Governadoria irá continuar até que o Estado nos dê uma resposta positiva para a nossa reivindicação. Ontem, teríamos uma reunião com o chefe do Gabinete Civil, Carlos Augusto Rosado, mas ele não compareceu. O que sabemos é que ele já está de posse do projeto, mas disse que irá analisá-lo antes. Queremos que o projeto seja encaminhado à Assembleia Legislativa para votação até a sexta-feira da próxima semana, quando começa o recesso parlamentar”, afirmou Eliabe.

Compartilhar: