Policiais disfarçados fizeram tocaia na frente da casa de Pizzolato, diz vizinha

Foragido desde novembro, o ex-diretor do BB usava documentos falsos do irmão morto

O falso varredor avisava por rádio os movimentos do apartamento térreo localizado na via Vandelli, em Pozza, um distrito de Maranello. Foto:Divulgação
O falso varredor avisava por rádio os movimentos do apartamento térreo localizado na via Vandelli, em Pozza, um distrito de Maranello. Foto:Divulgação

Uma tocaia com policiais disfarçados antecedeu a prisão de Henrique Pizzolato na quarta-feira no norte da Itália.

“São coisas que a gente só vê na televisão. Um dos policiais estava varrendo a rua. Foi tudo muito rápido. De repente chegaram os carros da polícia”, disse a cabeleireira Silvia Justi, 38, dona de um salão bem ao lado do apartamento onde Pizzolato foi encontrado.

O falso varredor avisava por rádio os movimentos do apartamento térreo localizado na via Vandelli, em Pozza, um distrito de Maranello.

Primeiro, Fernando Grando, sobrinho de Pizzolato e dono do apartamento, deixou a casa sem parar para trancar a porta, fazendo a polícia perceber que havia mais gente dentro do imóvel. Quando o casal saiu de dentro do apartamento pouco depois, os policiais fecharam o cerco.

A dona do salão de beleza diz ter visto Pizzolato algumas vezes durante as últimas semanas, quando ele entrava ou saía do apartamento. Trocava cumprimentos com ele.

“Eu pensava que ele trabalhava na Ferrari também porque o outro rapaz [o sobrinho Grando] eu sei que trabalha lá”, contou.

Justi é uma exceção ao silêncio adotado na vizinhança sobre o caso. Outros vizinhos evitaram comentar o caso ou disseram nunca ter visto Pizzolato.

Silêncio

O prédio de paredes vermelhas –que abriga três apartamentos– passou quase toda a manhã fechada. Na garagem, estava o Fiat Punto vermelho, placas da Espanha em nome de Andrea Haas, a mulher de Pizzolato.

A porta do apartamento onde o ex-diretor do BB estava refugiado só foi aberta por volta das 9h40 (6h40 horário de Brasília), quando a mulher de Pizzolato, Andrea Eunice Haas, recebeu a visita de um oficial dos “carabinieri”, a polícia italiana.

Fonte:Folha

Compartilhar:
    Publicidade