Policial que algemou e matou namorada no meio da rua pode perder o olho

Após assassinato, ele atirou na própria cabeça e está em estado gravíssimo em UTI de hospital

Paola Natália Cardoso, de 23 anos, foi algemada e morta no meio da rua em Curitiba, no Paraná. Foto: Divulgação
Paola Natália Cardoso, de 23 anos, foi algemada e morta no meio da rua em Curitiba, no Paraná. Foto: Divulgação

O policial civil Napoleão Seki Júnior, de 38 anos, é suspeito de agredir, algemar e matar a namorada, Paola Natália Cardoso, de 23 anos, na tarde desta quinta-feira (24). O crime aconteceu na esquina da rua Sete de Abril com a rua Reinaldino S. de Quadros, no bairro Alto da XV, próximo do centro de Curitiba. Depois do crime, ele tentou se matar. A bala entrou no pescoço e saiu na testa, segundo a assessoria de imprensa do Hospital Universitário Cajuru. Na noite de quinta-feira, ele passou por uma cirurgia na cabeça e, na manhã desta sexta-feira (25), permanecia em estado gravíssimo na UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Uma testemunha que estava em um carro que passava pelo local gravou em vídeo toda a cena do crime. Logo após disparar quatro tiros contra Paola, que morreu na hora, Napoleão atirou contra o próprio maxilar. O projétil ficou alojado em sua cabeça. Em seguida, ele foi socorrido e levado para o hospital. Um primeiro boletim médico indicou que o policial, mesmo que sobreviva, perderá a visão do olho esquerdo.

O assassinato está sendo investigado pela Delegacia da Mulher, mas a Justiça já decretou a prisão preventiva do policial e havia dois policiais militares no hospital para prendê-lo. Segundo testemunhas, o casal discutiu muito antes do crime. Uma dessas testemunhas afirmou que Paola estava em um Celta e foi tirada do carro pelo namorado. Em seguida, foi algemada no meio da rua. Nesse momento, segundo relato de um pedestre que também presenciou a cena, um rapaz que passava pela rua tentou intervir, quando Paola já estava algemada. Ela chegou a escapar e correr pela rua, mas logo Napoleão mandou o jovem ficar quieto, argumentando que estava armado.

Processo

Napoleão trabalha no Núcleo Jurídico da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Paraná. Mesmo lotado na polícia estadual paranaense desde agosto de 2010, ele responde a um processo criminal em São Paulo, que ainda não foi julgado. O delegado Rubens Recalcatti, que deve comandar as investigações, não quis levantar nenhuma hipótese para o caso, mas acredita que a origem do crime está resumida a uma briga de casal.

“Talvez isso tenha ocorrido por uma briga de casal, e ele acabou cometendo o crime”.

Relacionamento

Minutos depois do assassinato, alguns familiares de Paola chegaram ao local e comentaram que os dois namoravam havia um ano. Segundo os parentes, eles brigavam constantemente e passaram a morar juntos havia pouco mais de uma semana. As imagens das câmeras da rua foram solicitadas pela Delegacia da Mulher, que também pediu o vídeo feito pela testemunha.

A polícia também investiga a utilização de arma e algemas da corporação policial. Paola, que era filha única, tinha um filho de um ano e três meses de um relacionamento anterior e estudava na Universidade Federal do Paraná.

Fonte: R7

Compartilhar:
    Publicidade