Ponte Preta “escuta” torcida e cancela acordo com Ricardinho

Rejeição de boa parte da torcida depois que o nome vazou fez os dirigentes recuarem e cancelarem o negócio

Ricardinho já estava acertado com a Ponte Preta. Foto: Divulgação
Ricardinho já estava acertado com a Ponte Preta. Foto: Divulgação

A Ponte Preta está perdida. Sem pulso para tomar decisões por conta própria, a diretoria vem usando a imprensa para definir quem será o substituto de Dado Cavalcanti. O clube estava acertado com Ricardinho, mas a rejeição de boa parte da torcida depois que o nome vazou fez os dirigentes recuarem e cancelarem o negócio. Essa tática havia sido usada também na última quarta-feira com Marco Aurélio e Silas.

Desde a última segunda-feira, quando Dado Cavalcanti deixou o clube em comum acordo por “divergência de ideias”, diversos nomes foram observados. A diretoria nunca escondeu o sonho de repatriar Gilson Kleina, que teve uma grande passagem entre 2012 e 2013, levando o time de volta à elite do Campeonato Brasileiro. No entanto, o treinador ainda tem uma multa rescisória para receber do Palmeiras e não pode assinar com qualquer clube até o dia 10 de agosto. A questão salarial também não deixou o sonho de se tornar realidade.

Sem Gilson Kleina, a Ponte Preta voltou suas atenções para Marco Aurélio. Apesar de ter comandado o clube em outras cinco oportunidades, o nome não foi bem visto pelos torcedores, principalmente pelo fato do seu último trabalho ter sido em 2010. Dessa forma, a bola da vez virou Silas. E mais uma vez a rejeição das arquibancadas fez a diretoria desistir da contratação.

A ligação da família do treinador com o rival Guarani não é bem vista pela torcida alvinegra. No ano passado, Silas, que é sonho de consumo do presidente Márcio Della Volpe, estava apalavrado com a Ponte, mas recuou depois de receber ameaças.

“Não digo que somos reféns da torcida. Existe um respeito pela opinião da torcida, mas quem decide é a diretoria. Temos que analisar o mercado e por isso cogitamos vários nomes. Nem sempre o que é possível é o ideal para o clube, que tem responsabilidades financeiras e não pode exceder ao seu limite”, afirmou o diretor de futebol Hélio Kazuo depois da derrota para o Vasco da Gama, por 2 a 0, em Campinas, na última quarta-feira.

Neste momento turbulento que a Ponte Preta vem passando dentro e fora de campo, a torcida alvinegra aguardava uma posição oficial do presidente Márcio Della Volpe, que “sumiu” do clube nos últimos dias. O co-diretor Pedro Nicolau foi responsável por comunicar a saída de Dado Cavalcanti depois de uma reunião que não contou com o mandatário. Na última quarta, quando todos esperavam um pronunciamento de Della Volpe, sobrou para Hélio Kazuo encarar a imprensa.

O amadorismo da diretoria alvinegra está se refletindo dentro de campo. Com uma campanha bastante irregular, a Ponte Preta não vence há três jogos na Série B do Campeonato Brasileiro e aparece na décima colocação, com 17 pontos. Além disso, o time viu a eliminação da Copa do Brasil ficar próxima depois da derrota para o Vasco, por 2 a 0, em pleno Moisés Lucarelli.

Fonte: Terra

Compartilhar:
    Publicidade