Por renovação, Flamengo pode ter saída de medalhões para o segundo semestre

Goleiro Felipe faltou em treino, foi barrado nos últimos três jogos do Fla e pode ser o primeiro a deixar o time. Lateral-esquerdo André Santos também pode sair

André Santos em lance contra o Duque de Caxias. Foto: Divulgação
André Santos em lance contra o Duque de Caxias. Foto: Divulgação

A saída do vice-presidente de futebol Wallim Vasconcellos do Flamengo pode fazer a diretoria mudar completamente seu campo de atuação em termos de reforços e da própria formação do elenco. O diretor de futebol Felipe Ximenes ficou muito insatisfeito com o comportamento do time na derrota de 3 a 0 para o Cruzeiro, a ponto de dar bronca generalizada nos jogadores após o duelo, em vídeo que supostamente vazou nas redes sociais. Essa série de fatores podem gerar a saída de alguns medalhões do atual elenco.

O primeiro nome da barca deverá ser o goleiro Felipe. O jogador, que chegou a faltar a um treino antes do empate sem gols com o Santos, foi barrado nos três últimos jogos do time, sequer sendo relacionado. O relacionamento com o técnico Ney Franco já parece ter abalos sérios. Para agravar ainda mais o quadro, o clube abriu negociações para repatriar o goleiro Julio Cesar, que vai defender a Seleção Brasileira na Copa do Mundo e vinha atuando pelo Toronto, do Canadá. O jogador está insatisfeito no clube e deseja um retorno ao Brasil.

Outro medalhão que está de malas prontas é o lateral esquerdo André Santos. O jogador, que é alvo da insatisfação da torcida, vem negociando com o Fernerbahçe para voltar a jogar na Turquia. O próprio atleta admitiu a possibilidade em entrevista publicada nesta terça-feira pelo jornal turco AMK.

“Ainda não esqueci Istambul. Para mim é uma cidade incrível. Lá todo mundo é apaixonado por futebol e me sinto amado onde chego. Eu estarei lá depois do Mundial”, afirmou André Santos, deixando nítido que deverá defender o clube após a Copa do Mundo.

A saída de Felipe e de André Santos pode representar uma grande economia para os cofres da Gávea e a possibilidade de contratar reforços do porte de Julio Cesar. O próprio presidente Eduardo Bandeira de Mello tem deixado claro ao departamento de futebol que não vai abrir mão da saúde financeira em nome de contratações de impacto.

Os assuntos referentes à saída dos jogadores, porém, só deverão ser tocados quando um novo profissional assumir a vice-presidência de futebol. É certo, porém, que figuras como o ex-presidente Kléber Leite e o atual vice de relações exteriores, Plínio Serpa Pinto, saíram fortalecidos com a queda de Wallim e deverão ter maior influência na chegada de reforços.

Parte desses dirigentes tem garantido a Eduardo Bandeira de Mello a possibilidade de administrar o clube sem muita pressão por parte da oposição, mesmo com o time figurando na zona de rebaixamento. Os próximos dias, porém, serão decisivos para a definição dos novos rumos da política do Flamengo.

Fonte: Terra

Compartilhar:
    Publicidade