Pornomania

Editorial da Folha de S. Paulo Assim como o mau motorista é sempre aquele que dirige o outro carro, e…

Editorial da Folha de S. Paulo

Assim como o mau motorista é sempre aquele que dirige o outro carro, e não quem enuncia o julgamento, pornográfico tende a ser o tipo de filme que nunca será exibido num circuito de arte, por mais explícitas as cenas que contenha.

Há, sem dúvida, um bom componente de hipocrisia no uso de qualquer rótulo, mais ainda quando questões de sexo estão em jogo.

A “Ilustrada” destacou na quarta-feira a “ousadia” –para lembrar um adjetivo talvez fora de moda– de alguns filmes em cartaz.

“Azul É a Cor Mais Quente”, esmerada produção francesa de Abdellatif Kechiche, abre-se generosamente à exploração do amor sáfico. “Um Estranho no Lago”, de Alain Guiraudie, recuou diante da sodomia explícita porque os dublês de corpo, profissionais do pornô, não queriam dispensar o preservativo, contrariando o roteiro.
Tais filmes, assim como o brasileiro “Tatuagem”, de Hilton Lacerda, e o francês “Jovem e Bela”, de François Ozon, parecem estar em vias de superação pelo dinamarquês Lars von Trier, cujo “Ninfomaníaca” estreia hoje. A protagonista, vivida na idade adulta por Charlotte Gainsbourg, pressagia desde os dois anos de idade o comportamento que dá título à realização.

Espante-se quem ainda puder, e que tais filmes sejam tomados por corriqueiros pelos que desejem. A censura, evidentemente, não se justifica em nenhuma hipótese. Nem por isso é neutro o rótulo de “pornográfico”; implica avaliação pejorativa e restrição moral.

Como distinguir o “erótico” do “pornográfico”? A diferença não reside na voltagem do apresentado, no detalhismo do olhar ou na centimetragem epidérmica.

O critério seria estético, e não moral. Mas a estética é também uma área de ambiguidades e tensões. O “bom gosto” e o “mau gosto” variam no tempo. Na moderna teoria estética da recepção, as construções do espectador alteram o significado da obra. O já clássico “new criticism” advertia contra a “falácia da intencionalidade”: o que o autor quis dizer não é a chave para o que sua obra de fato diz.

Um enfoque razoável seria o de levar em conta não a cena sexual em si, mas o contexto em que é apresentada. Mau gosto ou explicitude podem ter função expressiva em determinada obra –o que não equivale a apresentá-la por si mesma, na titilação do proibido e na baixa busca de efeitos puramente hormonais no espectador.

Estética e moral não se separam necessariamente nesta discussão –a que não contribuem o puritanismo nem a procura publicitária do escândalo. (FSP)

 

Torquemadas
O juiz Ivan Lira botou o dedo na ferida, através da sua página no Twitter, gerando um debate virtual sobre a condenação prévia de parte da mídia. Mas é preciso acrescentar como cúmplices desse jornalismo de esgoto alguns setores do MP e das polícias.

Esgotosfera
Na exposição covarde da imagem de João Faustino, que acabou contribuindo com sua morte (estou acusando mesmo), houve um conluio de blogueiros e comentaristas, todos com desvios morais e psicológicos, que juntos formam a corda de goiamum do mal.

Insegurança
Terrível o quadro revelado hoje na Inter TV por um integrante da OAB-RN sobre a violência contra agentes penitenciários. O estudo mostra que a cada 30 dias um profissional é assassinado, nos presídios ou fora quando é reconhecido por bandidos.

Insegurança II
Incontáveis são também os casos em que a bandidagem atinge até o próprio sistema de segurança estadual, como no assalto à Governadoria. E na segunda-feira, a casa da delegada Virgínia Gomes, na Praia de Zumbi, foi invadida por assaltantes.

Mãe Luiza
Pode ser muito tarde a iniciativa de enviar a Polícia para prender quadrilhas encasteladas no bairro de Mãe Luiza. Se não houver uma ação de inteligência, o crime organizado estará bem instalado em área estratégica, em cima dos bairros da elite.

Livro-bomba
É obrigatória a leitura do livro do ex-delegado Romeu Tuma Jr., redigido pelo jornalista Claudio Tognolli. Logo no início, fica-se sabendo que o Ministério da Justiça virou puxadinho do PT, manufatura para fabricação de dossiês contra opositores.

Até tu, Dudu?
A Folha de S. Paulo desmascara o mito da badalada gestão Eduardo Campos (PSB) em Pernambuco, expondo uma obra PPP que seria a vitrine da política de segurança, mas que está parada e com o custo dobrado em relação ao que foi posto no papel.

PT-PSD
Dilma Rousseff atuou pessoalmente na Bahia para satisfazer uma das vontades do aliado Gilberto Kassab. Tirou o governador Jaques Wagner da disputa para o Senado, abrindo espaço para a candidatura do vice, Otto Alencar, filiado ao PSD.

Protestos
A primeira manifestação de 2014 contra a corrupção que envolve a Copa do Mundo está marcada para o dia 25 de janeiro, no Vale do Anhangabaú, em São Paulo, data do aniversário de 30 anos do primeiro comício das Diretas Já na capital paulista.

Lançamento
Neste domingo, 12 de janeiro, o senador Aécio Neves (PSDB) participa de um ato na cidade de Curitiba que abre oficialmente sua campanha para presidente da República. É o aniversário de 30 anos do primeiro comício das Diretas Já em solo brasileiro.

Compartilhar: