Posto localizado em Natal é eleito o melhor da rede ALE no país

- A ALE, quarta maior distribuidora de combustíveis do país, premiou nesta sexta-feira a melhor revenda da companhia no mês…

- A ALE, quarta maior distribuidora de combustíveis do país, premiou nesta sexta-feira a melhor revenda da companhia no mês de novembro de 2013.

- O posto Interlagos, localizado em Natal (RN), foi o eleito do mês por oferecer excelente atendimento aos clientes, produtos de qualidade, organização da revenda, além de ter conquistado as metas do programa de gestão “Clube ALE”.

- O premiado concorreu com cerca de 2 mil postos da rede em todo o país.

- A revenda recebeu uma placa de homenagem, um kit de divulgação do título para exibir no ponto de venda e brindes para serem distribuídos aos consumidores.

- A iniciativa faz parte do programa de fidelidade e gestão de resultados da companhia, “Clube ALE”, em que revendedores e frentistas acumulam pontos, que podem ser trocados por mais de 10 mil prêmios, entre produtos e serviços.

- Além disso, o projeto incentiva os profissionais a aperfeiçoar cada vez mais os serviços prestados aos clientes.

- Localizado na Avenida das Fronteiras, em um dos bairros mais populosos de Natal, o Potengi, o posto recebe intenso fluxo de clientes, principalmente de motocicletas.

- Um dos destaques da revenda, de acordo com o gerente regional da ALE, Rodolfo Metzker, é a comercialização de gasolina aditivada. “O atendimento diferenciado e a motivação aos colaboradores fazem do posto Interlagos uma referência em abastecimento na cidade”, afirma. Segundo ele, há uma premiação para os colaboradores que conseguem incentivar os clientes a abastecer com gasolina aditivada.

- Entre os serviços oferecidos pelo posto estão alinhamento, balanceamento, lava-jato, uma franquia de loja de empadas, loja de conveniência Entreposto (marca exclusiva da ALE), troca de óleo e pit stop de uma marca de cervejas, além de três lojas para aluguel que estão em negociação e, em breve, também terá uma barraca de cachorro-quente.

- De acordo com o sócio-proprietário da revenda, Clovis Malveira, que administra o posto em parceria com o empresário Francinélio Monte, o prêmio é o reconhecimento de um trabalho contínuo e de uma equipe empenhada em oferecer os melhores serviços aos consumidores. “A premiação dada pela ALE nos mostra que a companhia está sempre acompanhando nosso desempenho e nos motivando para crescer ainda mais”, acrescenta.

 

Ministra do Meio Ambiente inaugura laboratório de biotecnologia na UFRN

- A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) receberá segunda-feira a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, para a inauguração oficial do Laboratório de Biotecnologia de Conservação de Espécies Nativas (LABCEN).

- O evento terá início às 9h30, no próprio prédio (localizado em área externa do Centro de Biociências), contando ainda com a presença do presidente da Emparn, José Geraldo Medeiros, do superintendente do Ibama, Avamar Costa, do promotor do Meio Ambiente João Batista e de outras autoridades, além do coordenador do laboratório, professor Magdi Ahmed Ibrahim Aloufa.

- Na ocasião, Magdi lançará a obra ‘Biotecnologia Aplicada – Metodologia e Resultados’, uma reunião de projetos coordenados por ele no período de 2005 a 2009.

- O LABCEN iniciou suas atividades há dois anos e, embora ainda sem inauguração oficial e driblando os obstáculos da burocracia, tem sido um mecanismo de extrema importância quando o assunto é preservação de espécies nativas – sobretudo as ameaçadas de extinção – e recuperação de áreas degradadas, a exemplo da Caatinga, bioma exclusivo do nordeste brasileiro, que encontra-se muito perto da desertificação.

- Além de preservar a diversidade de florestas e outros ecossistemas brasileiros, o principal objetivo do laboratório é funcionar como um banco de germoplasma, fornecendo plantas clonadas e geneticamente melhoradas para projetos de reflorestamento.

- No laboratório, segundo o professor, são pesquisadas e desenvolvidas técnicas de biotecnologia vegetal capazes de conservar até 40 mil plantas em um espaço pequeno, por meio da micropropagação, clonagem e criopreservação.

 

Dilma tem pouco espaço para manobras em ano eleitoral, diz “Economist”

- De acordo com a revista britânica “The Economist”, a maior e mais importante do setor, a presidente Dilma Rousseff está em uma ‘saia justa’, embora prefira usar ‘terninho’.

- “Normalmente nesse período do ciclo político, como foi nas eleições de 2006 e 2010, o governo estaria aumentando gastos”, diz a publicação. Mas, no discurso no último Fórum Econômico de Davos, quando o mercado de ações e o real desabavam junto com outras economias emergentes, a presidente teve de se mostrar um pouco mais conservadora.

- O crescimento econômico do Brasil chega a uma média de 1,8% ao ano desde que Dilma assumiu o comando, em janeiro de 2011. A inflação está em torno de 6% e o déficit em conta corrente atingiu 3,7% do Produto Interno Bruto. A “The Economist” diz que o governo da presidente tem “boas desculpas” para esses resultados, embora reconheça que também houve acertos.

- Tudo o que o Brasil precisa para equilibrar as contas externas e impulsionar a indústria do país é um real mais fraco. Por outro lado, tal movimento implicaria riscos inflacionários, fator que, junto dos problemas nos transportes públicos, geraram protestos em massa no ano passado.

- A tensão de 2013 fez com que houvesse uma “mudança de mentalidade”, que permitiu ao presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, elevar o juro básico (de 7,25% para 10,5%).

- Em Davos, pela primeira vez, Dilma disse que tinha como meta trazer a inflação para 4,5%. Um economista declarou à revista que provavelmente Lula disse que a elevação do juro não prejudicaria a campanha eleitoral. “Mas a inflação, sim”.

 

Ação coletiva pressiona Judiciário por mais rapidez na correção do FGTS

- A ação coletiva que pede a correção do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) pela inflação para todos os trabalhadores pode acelerar uma decisão final sobre o assunto ou mesmo forçar a Caixa Econômica Federal (CEF) a buscar um acordo. As apostas são de advogados favoráveis ao reajuste.

- Nesta semana, o juiz Bruno Brum Ribas, da 4ª Vara Federal de Porto Alegre (RS), aceitou o processo, apresentado pela Defensoria Pública da União (DPU) na segunda-feira. A ação se somou a outras 185 ações coletivas e cerca de 39 mil individuais que pedem a mesma coisa: a correção do fundo por um índice inflacionário a partir de 1999, quando a Taxa Referencial (TR) – usada hoje para fazer a atualização – passou a perder para a inflação.

- A diferença é que a ação da Defensoria pede a troca para todos os trabalhadores do País. Em 1999, o FGTS tinha 55 milhões de contas.

- Um dos motivos para que o tema ande mais rápido é que, na ação coletiva, a Caixa vai recorrer mais rapidamente caso sofra alguma derrota, o que também deve fazer a questão chegar ao Supremo Tribunal Federal (STF) com mais agilidade, avalia o advogado Sérgio Henrique Salvador, professor da Fundação de Ensino e Pesquisa de Itajubá (MG).

Compartilhar: