Potencial de energia solar pode superar até mesmo o da eólica

Simpósio destacou o RN como possível líder na geração de energia fotovoltaica

Energias-Renovaveis---Brasil-e-Alemanha-WR

Carolina Souza

acw.souza@gmail.com

Solução econômica e sustentável, a energia fotovoltaica – ou energia solar transformada em energia elétrica, é a grande oportunidade de investimento no segmento de energia, principalmente no que diz respeito ao Rio Grande do Norte, estado que possui mais de 300 dias de insolação no ano. Esse tema foi discutido durante abertura do I Simpósio Brasil-Alemanha de Energias Renováveis (BAER), realizado na manhã de hoje (19) no auditório do CTGAS-ER.

Durante o simpósio, que contou com palestra do alemão Eicke Weber, professor do Instituto Fraunhofer para Energia Solar, o maior centro europeu de pesquisas em energia renovável, foi destacado o enorme potencial de geração de energia fotovoltaica no RN, que pode até mesmo superar a geração eólica, da qual o estado é líder nacional.

Pesquisadores, gestores, investidores e fabricantes de parques solares estarão em Natal até amanhã para discutir a conjuntura do desenvolvimento tecnológico e a massificação do uso de sistemas fotovoltaicos na Alemanha, com o objetivo de aplicar as lições aprendidas para o desenvolvimento de uma indústria solar no Brasil.

“Nós temos tudo para iniciar os investimentos para geração de energia eólica no Rio Grande do Norte em grande escala. O Brasil já está começando com os trabalhos e temos todas as oportunidades possíveis para sermos destaque no cenário nacional”, destacou Afonso Avelino, diretor do SENAI-RN, parceiro da FIERN na realização do simpósio Brasil-Alemanha de Energias Renováveis.

Avelino explicou que o objetivo do evento é caracterizar o ambiente brasileiro, em especial o Nordeste e o RN, para identificar os direcionadores que sejam úteis ao governo, indústria e academia para os investimentos no setor.

“Até esta terça-feira haverá uma série de palestras com pesquisadores e empresários sobre a importância da exploração desse tipo de energia, com fabricantes falando sobre tecnologias, além de termos instituições financeiras que poderão fazer esse elo e atrair novos investidores para o Rio Grande do Norte”, frisou. “Os custos para investimento nessa área são altos, mas a tendência natural é de que vá caindo com tamanha tecnologia aplicada e parcerias que podem ser firmadas”.

Em médio prazo, o Rio Grande do Norte deverá presenciar a instalação de parques solares – áreas recobertas por painéis fotovoltaicos que captam a energia do sol e a transformam em eletricidade, cuja energia é integrada à rede de produção do país. Além dos parques, outra iniciativa inovadora é a geração de energia solar em residências, com placas instaladas sobre casas e prédios, que poderá ser revertida na conta de luz.

Com mais de 300 dias de sol por ano e baixa ocorrência de formação de nuvens, o Rio Grande do Norte é um dos Estados com maior potencial solar do país. Apesar da abundância, ainda não há exploração em larga escala no Estado deste tipo de energia.

“O uso ainda é restrito a construção civil e por hotéis e pousadas, como forma de reduzir custos com energia elétrica. Precisamos ampliar e para isso é necessário novas tecnologias e investimentos”, observou Avelino.

Com alto nível técnico gerencial, o simpósio também terá foco na prospecção de energia solar fotovoltaica e de oportunidades conjuntas entre Brasil e Alemanha – países com potencial e recursos significativos – e desponta como oportunidade para troca de tecnologias e investimentos diretos em novos projetos, em um segmento cujo crescimento está em franca expansão.

O modelo já aplicado com sucesso na Alemanha permite que com o fornecimento de energia fotovoltaica sejam alimentados sistemas de transporte, construção e produção industrial.

Compartilhar:
    Publicidade