Pouco conhecida, Delegacia Virtual é opção para perda de documentos e denúncias

Ao fazer um Boletim de Ocorrência, a população pode imprimir o documento em até 24 horas

Deleg

Diego Hervani

diegohervani@gmail.com

Todos os dias, diversas pessoas se dirigem até as delegacias com o mesmo problema, perda ou furto de documentos e objetos. Entretanto, o que poucos sabem, é que existe uma forma mais “cômoda” de se registrar o Boletim de Ocorrência (BO) por esse tipo de situação. A Delegacia Virtual (DA) está disponível todos os dias da semana e disponibiliza o BO em até 24 horas.

Criada em 2009, a DA atende à ocorrências de perda de objetos e documentos. “O cidadão entra no sistema, preenche todos os dados e coloca qual tipo de ocorrência que ele quer registrar. Essa solicitação é enviada para Delegacia do Cidadão. Lá, o policial recebe, verifica se está tudo certo. Então, envia um protocolo para o email da pessoa. Temos trabalhado para que esse BO fique pronto em uma hora, mas, no máximo, em 24 horas, ele estará pronto. Aí, é só o cidadão imprimir”, destacou Theobaldo De Siqueira, analista de sistema da Polícia Civil (PC) do RN. “Se não for de competência da DA, a pessoa saberá quando entrar no sistema com o número de protocolo”, completou.

A população pode acessar a Delegacia Virtual através do endereço www.policiacivil.rn.gov.br. Porém, a intenção da Polícia Civil é levar o link para o máximo de sites possível. “O link da Delegacia Virtual já está disponível em vários sites do Governo, mas queremos aumentar esse número para que a população passe a conhecer mais esse serviço. Pois o que percebemos é que muitos não conhecem essa ferramenta”, destacou Theobaldo.

Até a manhã desta terça-feira (8), 20 mil atendimentos tinham sido feito na DA em 2014, número considerado muito baixo pela PC. “Nós queremos aumentar muito esse número. Criamos a DA para, além de facilitar a vida do cidadão, diminuir o número de atendimentos nas delegacias físicas decorrentes desses tipos de ocorrências. Assim podemos fazer um atendimento maior nas ocorrências de maior gravidade”, afirmou o analista de sistemas. Caso o item perdido tenha sido subtraído mediante violência ou grave ameaça à pessoa, o que caracteriza roubo e não furto, a DA não registra Boletim de Ocorrência. Com isso, a pessoa tem que se dirigir para uma delegacia física. Além dos Boletins de Ocorrências, a Delegacia Virtual também recebe denúncias, anônimas ou não.

Como o Rio Grande do Norte, principalmente Natal e Região Metropolitana, é um Estado com grande fluxo de turistas, a DA também está disponível em inglês, espanhol e francês. “Até damos uma prioridade quando o caso é de algum turista, pois se esse turista for viajar e não estiver com o documento de identificação, ele não vai conseguir embarcar”, finalizou Theobaldo.

Disque Denúncia

Além de possíveis novos projetos de atendimento online para facilitar a vida da população, a Sesed tem constantemente pedido ajuda da população para diminuir os índices de violência. “Nós temos feito os investimentos. Compramos equipamentos, novos veículos. Melhoramos as condições de trabalho para os nossos policiais. Entretanto, precisamos da colaboração da população também”, destacou o titular da Sesed, Eliéser Girão, em entrevista recente para o Jornal de Hoje.

Uma das formas mais simples que a população pode ajudar é ligando para o Disque Denúncia, o 181, que será uma dos principais pontos que Eliéser tentará fortalecer no segundo semestre. “Pelo Disque Denúncia a população pode denunciar qualquer crime. Muita gente não liga com medo. Mas o Disque Denúncia a pessoa não precisa se identificar. Ela fica totalmente anônima”.

Mesmo sem ainda receber o número de ligações que acha ideal para o Disque Denúncia, Eliéser afirma que o serviço já tem trazido resultados. “O Disque Denúncia tem nos ajudado bastante. Já fizemos diversas abordagens por denúncias que recebemos através desse serviço. A maioria das ligações são relacionadas ao consumo ou tráfico de drogas. Recebemos, em média, 16 denúncias por dia, mas queremos aumentar esse número para umas 100 por dia”, finalizou.

Compartilhar:
    Publicidade