Prefeito Carlos Eduardo vai revogar lei que cria feriado da Consciência Negra

As entidades divulgaram notas explicando o motivo da discordância do feriado

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A lei 6.458/2014 foi publicada originalmente em abril deste ano e republicada na terça-feira passada por incorreção na data. Mas a decisão de Carlos Eduardo em revogar a lei só veio depois da pressão de entidades representativas do setor produtivo: Fecomércio/RN, CDL/ Natal e Fiern.

As entidades divulgaram notas explicando o motivo da discordância do feriado. Para elas, o setor produtivo deixaria de ganhar com um feriado, sobretudo por estar na sequência do feriado da padroeira de Natal, 21 de novembro. No entanto, as entidades não apresentaram sequer estimativas de quanto o setor produtivo poderia perder com isso.

Ontem (28), ao ser questionado por seguidores em uma rede social, o prefeito Carlos Eduardo Alves afirmou que a lei era um equívoco e que seria revogada. No Diário Oficial do Município (DOM) da data de hoje não havia nada sobre essa matéria. Em nota, a Prefeitura explicou o motivo de revogar a lei e afirmou “não ter compromisso com o erro”. No final, a nota explica que “não haverá espaço para medidas oficiais que alterem a rotina dos que moram, estudam, trabalham e produzem nossa cidade”.

O autor da lei (6.458/2014) que instituía em Natal o ferido da Consciência Negra no dia 20 de novembro, vereador Fernando Lucena (PT), afirmou que vai articular o movimento Negro para se manifestar contra a revogação da lei pelo prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT).

O parlamentar foi pego de surpresa quando a equipe d’O JORNAL DE HOJE o questionou sobre a revogação hoje pela manhã. Mesmo assim, falou que ia tomar medidas para reverter a decisão do prefeito. “Já vou convocar as entidades do movimento negro para a próxima semana para começar uma mobilização. Agora se o Prefeito quer optar por ficar do lado dos escravocratas, isso é problema dele. Ele vai brigar com todos os negros e pardos de todo o Brasil”, comentou Lucena.

O vereador petista também não concorda com a alternativa defendida pelo prefeito, que a data ainda renderia homenagens aos povos negros e seus remanescentes. “Ou é feriado ou não é, porque data comemorativa já é”, opinou o vereador. Ele também elencou os estados onde há o feriado: Bahia, Alagoas, Pernambuco, Sergipe e Rio de Janeiro.

Compartilhar: