Prefeito de Mossoró anuncia cortes para investir mais na saúde

Francisco José Jr também fará nova auditoria na folha de servidores

Francisco José Jr: “Essas economias, aliadas a emendas destinadas a saúde e verba do Governo, possibilitarão a abertura da UPA”. Foto: Divulgação
Francisco José Jr: “Essas economias, aliadas a emendas destinadas a saúde e verba do Governo, possibilitarão a abertura da UPA”. Foto: Divulgação

Depois de trocar 12 cadeiras do secretariado, o prefeito interino de Mossoró, Francisco José Júnior, do PSD, seguiu mudando a administração Cláudia Regina (DEM) para deixá-la mais ao gosto dele. Tanto é assim que, nesta semana, confirmou o corte de gastos que muitos já especulavam em Mossoró. Tirou R$ 1,5 milhão por ano na verba destinada a Comunicação Social para destiná-la à Saúde. Além disso, anunciou também uma nova auditoria na folha de pagamento do município. Vale lembrar que no final da gestão da ex-prefeita Fafá Rosado, do DEM, o mesmo trabalho já havia sido realizado.

Francisco José Júnior lembrou que, recentemente, anunciou cortes de custos relacionados a alugueis de carros e recolhimento de entulhos da construção civil, e fez um balanço do período a frente da municipalidade. O prefeito informou ainda que já autorizou ao setor de compras a abertura da licitação para aquisição de equipamentos para a Unidade de Pronto Atendimento do Belo Horizonte, assim como a realização de serviços nas partes hidráulica e elétrica do prédio da UPA.

“Essas economias, aliadas a emendas destinadas a saúde e verba do Governo do Estado, possibilitarão a abertura da UPA do Belo Horizonte até o final de fevereiro. A Unidade necessita de um investimento mensal de cerca de R$ 700 mil, que deve ser feito pela Prefeitura integralmente nos três primeiros meses de funcionamento. A partir do quarto mês, o Governo Federal repassará R$ 500 mil/mês para a UPA”, afirmou o gestor, complementando que a saúde é prioridade da sua administração.

“A Falconi, uma empresa de prestígio nacional, que já possui contrato com a Prefeitura, será a responsável pela auditoria na folha de pagamento. Essa ação não é motivada por nenhuma questão política, apenas ajudará a nortear a administração e vai conferir mais transparência ao governo municipal”, disse o prefeito. Também será realizada uma auditoria nos equipamentos de saúde do município.

É importante lembrar que quando assumiu a Prefeitura de Mossoró, a prefeita afastada (por condenação na Justiça Eleitoral) Cláudia Regina já acompanhou os trabalhos da Falconi nas contas do município. A empresa, que faz auditoria nas contas da Prefeitura de Natal, havia sido contratada pela gestão anterior, Fafá Rosado.

 

Afastamento de Larissa deverá ser publicado dia 2 de janeiro

Assim como o que aconteceu com a governadora Rosalba Ciarlini, DEM, o afastamento da deputada estadual Larissa Rosado, PSB, poderá não ter efeito prático. Afinal, o Tribunal Regional Eleitoral deverá publicar só na edição do dia 2 de janeiro do Diário da Justiça Eletrônico (DJE) o acórdão da decisão que tornou a parlamentar inelegível e, ainda, a afastou do cargo na Assembleia Legislativa (determinando que o suplente, no caso, o filho da ex-governadora Wilma de Faria, Lauro Maia, assuma a cadeira).

A partir da publicação do acórdão, a defesa de Cláudia Regina poderá buscar um recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com efeito suspensivo para que a decisão do TRE seja suspensa até o julgamento do mérito da ação. E, conforme a linha que a máxima corte eleitoral brasileira tem seguido, é bem provável que ela consiga isso.

De qualquer forma, o acórdão vai pegar, justamente, o período de recesso da Assembleia Legislativa, fazendo com que o cumprimento da decisão possa ser, ainda mais, protelada. Há cerca de um ano, a Assembleia passou por uma situação parecida em seu recesso quando afastou, também a pedido do TRE, o deputado estadual Dibson Nasser (PSDB). Na ocasião, o Legislativo empossou José Adécio (DEM) apenas com uma decisão normativa, sem ser necessário a convocação de uma sessão extraordinária.

A situação atual, no entanto, se diferencia pelo fato de Lauro Maia ter sido condenado na semana passada pela Justiça Federal do RN a 16 anos de prisão por envolvimento no esquema que ficou conhecido como Operação Hígia. O próprio Lauro Maia, inclusive, disse depois da condenação de Larissa Rosado que não tinha “interesse” de ser deputado no momento.

ELEIÇÃO
É importante lembrar que, além de permanência na Assembleia Legislativa, um efeito suspensivo conseguido no início de janeiro também permitirá a Larissa seja candidata na eleição suplementar de Mossoró, prevista para o dia 2 de fevereiro – mas que tem o registro de candidatura podendo ser feito até o dia 10 de janeiro.

PSL
Enquanto isso, em Mossoró, o PSL confirmou na manhã de hoje o nome do advogado Carlos Santana para a presidência do Diretório Municipal do partido. A decisão foi tomada pela Direção Estadual e a intenção é fortalecer a sigla na cidade de Mossoró. Em 2014, o PSL poderá fazer parte de uma chapa majoritária para as eleições para prefeito da cidade.

O presidente municipal de Mossoró, Carlos Santana e o presidente estadual, Araken Farias, estão conversando com mais de 10 partidos, todos da aposição da ex-prefeita Claudia Regina. Carlos Santana é pré-candidato a deputado federal pelo partido e fortalecerá a pré-candidatura de Araken Farias ao Governo do Estado.

Compartilhar: