Prefeitura ainda não cumpriu decisão judicial de interditar avenidas

Usuários de ônibus ficam desnorteados e motoristas ainda mais revoltados

Viaduto-Baldo-JA

A Prefeitura de Natal ainda não está cumprindo completamente a decisão judicial de interdição das avenidas Marechal Deodoro da Fonseca e Rio Branco. Até o final da manhã de hoje, os condutores que trafegam no sentido centro – Alecrim passavam livremente sob o viaduto do baldo.

De acordo com o inspetor chefe de trânsito da Secretaria de Mobilidade Urbana de Natal (Semob), Carlos Eugênio Barbosa, o órgão foi notificado no final do expediente da quinta-feira passada. O prazo para começar a cumprir a sentença judicial era de cinco dias. “Só não sabemos se são cinco dias ou dias úteis. Por isso estamos correndo”, disse o inspetor.

Apesar da pressa, a interdição ainda é parcial. No cruzamento da rua Mermoz com a Deodoro da Fonseca, exatamente onde os carros ainda tem passagem livre, será instalado um semáforo enquanto durar a interdição. Hoje pela manhã, nossa equipe de reportagem esteve no local por volta das 11h30. O equipamento já estava por lá, mas ainda não funcionava. Um agente de trânsito da Semob controlava o tráfego neste cruzamento. Mais 20 agentes tentavam coordenavam o trânsito no entorno da interdição.

Mas nem todo esse esforço do poder público municipal, ameniza a ira dos natalenses. Quando se pergunta como está o trânsito, a resposta é quase unânime. “Péssimo. A pior coisa que fizeram no trânsito de Natal. O conhecimento em trânsito aqui é zero. Ficou um caos”, criticou o condutor José Antônio da Silva, mal sabendo que a circulação de veículos tende a piorar quando a interdição for completa.

Quem também pouco sabia para onde ir eram os passageiros do transporte coletivo. Várias paradas foram modificadas e a informação é escassa. Muita gente se aglomera ao lado dos agentes de trânsito na tentativa de obter alguma luz no confuso caminho de volta para casa.

“Muita gente não sabe onde vai parar, onde vai descer, onde pega ônibus”, enumerou as dúvidas, a estudante Talita Oliveira de 18 anos. “Hoje pela manhã, vim da Cidade da Esperança. Peguei o 38 e ele desceu em frente ao Cemitério [do Alecrim]“, contou. O problema é que sua escola fica no início da avenida Deodoro da Fonseca. A caminhada do antigo ponto de ônibus para o colégio que era de 5 minutos, triplicou de tempo.

A estudante Vitória Belo também ficou sem entender nada. “Só fiquei sabendo quando o ônibus enrolou ali [em frente à Escola Adventista]“, disse. Ela vem de Felipe Camarão para o cursinho todos os dias nas linhas 22 ou 71. “Tive que descer lá no Marista e andei pra caramba”, completou.

Em meio à interdição de trechos nevrálgicos das principais avenidas do centro da cidade, a Prefeitura de Natal anunciou que as obras do viaduto e do canal do baldo, paralisadas há sete meses, irão recomeçar no dia cinco de maio deste ano.

Além disso, a empresa BMB Construtora Ltda apresentou o seu orçamento final, que ficou dentro do limite permitido pela lei de licitações para ajustes orçamentários em obras públicas de engenharia de reparo e manutenção. O valor total ficou em R$ 2,22 milhões, 24% maior que o preço inicial de R$ 1,79 milhões. Esse valor não inclui o reforço estrutural exigido pelo Ministério Público Estadual, mas dispensado segundo laudo de um dos engenheiros projetistas do viaduto Hugo Mota.

Compartilhar:
    Publicidade