Prefeitura de Natal adia divulgação de reajuste aos servidores da saúde

O adiamento da resposta da gestão municipal é visto com preocupação pelos servidores, pois este é um ano de eleições, no qual o prefeito fica impedido de reajustar salários ou contratar pessoas durante o período eleitoral

Na próxima semana, os servidores da saúde de Natal terão uma assembleia geral, na qual discutirão a luta pela data-base, contra a portaria 020 e a reforma administrativa. Foto:Divulgação
Na próxima semana, os servidores da saúde de Natal terão uma assembleia geral, na qual discutirão a luta pela data-base, contra a portaria 020 e a reforma administrativa. Foto:Divulgação

Em reunião na manhã de hoje na Segelm, a Prefeitura de Natal adiou novamente a divulgação do índice de reajuste dos servidores e a resposta sobre as demais reivindicações dos trabalhadores. Apesar de o prefeito e secretários terem se reunido na sexta-feira (7) para tratar deste tema, os representantes da gestão afirmaram que somente na segunda-feira (17), será divulgada a data de um novo encontro, onde será conhecida a resposta da Prefeitura.

O adiamento da resposta da gestão municipal é visto com preocupação pelos servidores, pois este é um ano de eleições, no qual o prefeito fica impedido de reajustar salários ou contratar pessoas durante o período eleitoral. “Este é um ano curto, pelas eleições e pela Copa. Após a greve passada, a Prefeitura concordou em iniciar as negociações em janeiro deste ano, mas até agora não se pronunciou sobre a nossa pauta”, afirma Célia Dantas, diretora do Sindsaúde.

Os servidores da saúde exigem reajuste de 18,32% nos salários. O valor foi calculado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estudos Sócio-Econômicos) e equivale às perdas da inflação desde 2010 (14,07%) e um ganho real, com referência no crescimento do PIB. A proposta também inclui reajuste nas gratificações e um índice superior para servidores de nível elementar, que hoje recebem abaixo do salário-mínimo e têm seus salários complementados com um abono.

Os servidores também exigem melhorias nas condições de trabalho, concurso público e a revogação da portaria 020, que aumenta os plantões, desrespeitando a carga horária de 30 horas. Na próxima semana, os servidores da saúde de Natal terão uma assembleia geral, na qual discutirão a luta pela data-base, contra a portaria 020 e a reforma administrativa.

Conheça a pauta de reivindicações dos servidores da saúde

1.  Implementação do PCCV da Saúde (Lei 120)

1.1. Reajuste salarial de 18,32%.

1.1.1. Recomposição da tabela dos Auxiliares em Saúde. Ninguém abaixo do mínimo.

1.2.    Implantação da progressão devida sem avaliação de desempenho.

1.3.    Implantação da promoção.

2.  Implementação do PCCV (Lei 118)

2.1. Reajuste salarial de 18,32%.

2.1.1. Recomposição da tabela do GASG. Ninguém abaixo do mínimo.

2.2.    Implantação da progressão devida sem avaliação de desempenho.

2.3.    Implantação da promoção.

3.  Revisão do PCCV da Saúde Lei 120

3.1.    Jornada de 30 horas para enfermagem sem redução salarial.

3.2.    Licença-prêmio sem redução dos vencimentos.

3.3.    Revisão da proporção salarial entre os cargos.

4. Reposição das perdas nas gratificações (sem dedução na VICT)

Índices:

GSF, GEAON* 37,02%

GEAUE* Não foi reajustada em 2008, como as demais 53,86%

GVISA Foi reajustada em janeiro de 2012 15,34%

Gratificação de Plantão  50%

* Isonomia entre níveis médios de GEAUE e GEAON

5.       Implantação do quinqüênio dos ACS e ACE;

6.       Pagamento imediato da ação judicial em execução dos R$ 50,00 dos ACS e ACE;

7.       Implantação do Vale-refeição para os servidores que trabalham dois expedientes;

8.      Resolução e pagamento de todos os processos administrativos referentes a direitos do servidor. Mutirão para agilidade dos processos. Implantação de adicionais e gratificações negociados.

9.      Repasse do incentivo anual dos agentes.

10.      Revogação da Portaria 020/2014 (jornada e plantões);

11.      Contra o Ponto Eletrônico, que penaliza os servidores. Implantação apenas quando todas as condições de trabalho estiverem garantidas, com negociação com os servidores.

12.      Garantia de segurança nas unidades de saúde;

13.      Rediscussão do decreto que institui a avaliação de desempenho e promoção;

14.      Aposentadoria e auxílio-doença integrais;

15.      Revisão dos percentuais atualmente pagos no Adicional de Insalubridade;

16.      Garantia do retorno dos servidores municipalizados aos órgãos de origem.

17.    Concurso público já!

18.  Ampliação do PSI Sandra Celeste para hospital infantil;

19. Reabertura, USB de Bela Vista e USB de Soledade II;

20. Pelo abastecimento em 100% nas unidades de saúde com medicação e insumos básicos;

21. Pela garantia de equipamentos básicos em 100% das unidades de saúde;

22. Em  defesa  da  saúde  da  mulher.  Reabertura imediata  da  Maternidade  Leide Morais e garantia  do  atendimento  pré-natal nas unidades.

23. Fortalecimento da rede de laboratórios próprios e fim do contrato com a DNA Center. Contra toda forma de privatização da saúde!

24. Por 35% do Orçamento municipal para a saúde;

25. Eleição direta para diretores de unidades de saúde;

26. Implantação de política contra o assédio moral.

Compartilhar: