Prefeitura de Parnamirim vai investir R$ 75 mil mensais para aumentar policiamento

Em meio ao crescimento da violência, município também quer reativar postos policiais com apoio do Estado

Convenio-da-Seguranca-do-estado-com-Parnamirim-JA--(116)

Marcelo Lima

Repórter

A Prefeitura de Parnamirim assinou nesta semana, um convênio com o governo do Estado que vai aumentar a segurança da população. O município vai bancar até 50 diárias operacionais todos os dias com vistas a aumentar o policiamento ostensivo.

Para o prefeito de Parnamirim, Maurício Marques, a medida “é o início de um plano visando reduzir a criminalidade. Vamos aumentar o número de policiais com recursos próprios, pagando para aqueles policiais que estão de folga que queiram vir trabalhar em Parnamirim”.

O secretário estadual de Defesa Social e Segurança Pública, Eliéser Girão Monteiro, afirmou que não há impedimentos legais para que o município invista nessa área. “Existe um termo hoje que se fala no Ministério da Justiça que é incentivar cada vez mais a municipalização da segurança pública. Para você ter uma ideia, na quarta-feira, foi aprovado o uso de armas pelas guardas municipais. É claro que o ideal é que a guarda tenha um armamento de menor letalidade, mas a municipalização da segurança pública é uma realidade no Brasil há muito tempo”, comentou.

Também haverá incentivo para a metodologia da polícia comunitária. “A gente pretende dar melhores condições às bases comunitárias, inclusive estimulando a criação delas, permitindo que o policial na sua hora de folga possa trabalhar mediante indenização da diária operacional por meio da Prefeitura. É uma maior presença da Polícia Militar não só nos dias de escala, como também nos dias de folga”, acrescentou o secretário.

O investimento diário de Parnamirim vai ser de R$ 2,5 mil. Mensalmente, isso resultará em R$ 75 mil. Tudo com recursos municipais. “Parnamirim é uma cidade privilegiada porque ela cresce com recursos próprios”, ressaltou Maurício Marques. O crescimento populacional da cidade também ajuda na arrecadação. Segundo o prefeito, a cada ano o terceiro maior município do Estado ganha mais seis mil habitantes, número que coloca o “Trampolim da Vitória” como uma das cidades que mais cresce no país.

Na visão do secretário estadual de Segurança, esse tipo de parceria entre as diferentes esferas de governo evita que os policiais tenham vínculos com particulares nos horários de folga. “Também evita que o policial fique exposto no seu horário de folga a fazer o que se chama tradicionalmente de bico. A segurança privada não é o papel principal do policial militar, é a segurança pública”, afirmou Monteiro.

A partir deste convênio, será possível incentivar novos projetos na segurança pública do município. “Isso estimula as prefeituras para que elas criem suas guardas municipais e possam ter um convênio futuro a ser celebrado com a Secretaria Nacional de Segurança Pública por exemplo”, acrescentou o secretário estadual.

Efetivo

Conforme o comandante do 3º Batalhão de Polícia Militar (BPM) do Estado, Jair Justino Pereira Júnior, os policiais deverão se oferecer voluntariamente para trabalhar no período de folga.

Atualmente, o governo do Estado coloca a disposição dos municípios de Parnamirim, Nísia Floresta, São José de Mipibu e Monte Alegre, 350 policiais militares no 3º BPM. Como trabalham em escala, esse número até agora ficava reduzido a 75 agentes de segurança por dia. Na contagem, não entram os militares das unidades especializadas como Rocam, policiais de trânsito e ambiental. De acordo com o comandante do 3º BPM, todas as cidades da área de cobertura somadas resultam em cerca de 300 mil habitantes.

Além do policiamento da rua, eles ainda têm a responsabilidade pela guarda externa do Presídio Estadual de Parnamirim (PEP), Presídio de Alcaçuz, três Centros de Detenção Provisória (dois masculinos e um feminino) e uma detenção de regime semiaberto. Isso significa cuidar também de uma população prisional de cerca de 2,5 mil pessoas.

Com essa iniciativa da Prefeitura de Parnamirim, segundo o secretário de Segurança Pública e Defesa Social, o número de militares vai dobrar. “O policial pode exercer a atividade de desempenho da diária operacional até 20 vezes por mês. Uma diária operacional está sendo orçada agora R$ 80,00 para cada seis horas de trabalho. Em termos matemáticos vai ter a capacidade de dobrar o policiamento que hoje existe em Parnamirim”, afirmou.

Caça estatística ao crime

Baseado em dados do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), o comandante do batalhão afirma que um dos crimes que tem crescido muito é o assalto. “O assalto daquele cidadão que está na parada de ônibus, que vai lá alguém que quer trocar o celular dele por droga. Muitas vezes drogado que invade transporte coletivo”, exemplificou Jair Neto.

Segundo ele, o trabalho da polícia é baseado no georreferenciamento criminal. Isso significa que as estatísticas de crimes em determinada região da cidade levam a polícia a intensificar o trabalho onde os dados mostram a necessidade.

Esse é outro motivo pelo qual o registro dos boletins de ocorrência e as ligações para o 190 não podem deixar de ser feitos pelo cidadão, uma vez que essas são as principais fontes de dados que baseiam o policiamento ostensivo. “Isso nos dá uma condição mais técnica de atendimento à comunidade, nós temos o contato com as comunidades, fazemos reuniões e fazemos esses estudos. Recebemos esse dado estatístico, montamos nossas operações onde nossa estatística chamar”, explicou o comandante do Batalhão de Parnamirim.

Jair Neto preferiu não especificar qual bairro da cidade tem maiores índices de criminalidade. Isso porque, segundo o comandante, atuação dos criminosos migra de região para região de acordo com a ação do policiamento. “Se estigmatiza muito alguns bairros, como Passagem de Areia, Bela Vista, Parque Industrial. Não existe isso. O crime migra”, acrescentou.

Prefeito cobra ações do governo do Estado

Minutos antes da assinatura do convênio, o prefeito de Parnamirim cobrou da governadora Rosalba Ciarlini outras melhorias em benefício dos parnamirinenses. Maurício Marques reuniu todos os 18 vereadores da cidade e os secretários municipais para cobrar, por exemplo, a reativação de postos policiais fechados.

Nos bairros Jóquei Clube, Liberdade, Passagem de Areia, Parque Industrial e Cajupiranga, esses postos foram abandonados pela corporação. “Governadora, precisamos reabrir esses postos policiais”, apelou o prefeito. Marques se prontificou inclusive em colocar os prédios à disposição para funcionamento, o que já foi feito em dois deles.

Rosalba Ciarlini passou a bola para o secretário da pasta da Segurança. “Tentaremos transformar esses postos em bases da polícia comunitária. Poderemos voltar aqui para discutir esse funcionamento, inclusive com a participação dos vereadores”, declarou Eliéser Monteiro.

Em resposta, o Prefeito disse que a reunião poderia ser em duas semanas, em tempo de finalizar a mudança para o novo centro administrativo do município. “Estamos abertos para nos reunir tantas vezes quanto for necessário. O que queremos é resolver o problema”, acentuou Marques.

O chefe do Executivo de Parnamirim também cobrou soluções na área da Saúde Pública. “Precisamos também abrir a UPA [Unidade de Pronto Atendimento] de Nova Esperança. Eu já convoquei até os concursados. Já compramos os equipamentos, estamos esperando o governo entregar prédio e vamos fazer uma nova convocação de profissionais”, disse. A construção da Unidade de Pronto Atendimento é de responsabilidade do governo do Estado e quem deve colocar para funcionar é a Prefeitura.

Outra reivindicação foi a pavimentação asfáltica do prolongamento da avenida Omar O’grady que precisa somente de mais 100 metros de asfalto para chegar finalmente a Parnamirim. A governadora afirmou que o empecilho tem sido o processo de desapropriação, mas que o governo do Estado colocará o asfalto.

Vereadores

Todos os vereadores de Parnamirim também compareceram à solenidade de assinatura do convênio na área de Segurança. Os parlamentares municipais também estão preocupados com o tema. Por esse motivo, todos subescreveram uma lista de sugestões nessa área e entregaram para a governadora.

São elas: aumentar efetivo das polícias civil e militar; plano metropolitano de segurança; 3º BPM tornar-se exclusivo de Parnamirim; 5º BPM atender Nova Parnamirim, dispensando o 3º BPM apenas desse bairro; pelotão de trânsito; criação da delegacia de plantão metropolitana da região Sul da Grande Natal; criação do pelotão de cavalaria sediado no Parque Aristófanes Fernandes; ativação dos postos policiais; câmeras de monitoramento; construção de uma sede do Corpo de Bombeiros; realização de operações policiais semanalmente; melhorar a estrutura das polícias; fixação de metas para redução das ocorrências policiais e maior atuação do Comando de Policiamento Metropolitano no município.

Compartilhar: