Preocupada, diretoria do Palmeiras pede até que atletas tirem uniforme

Após derrota para o São Paulo, jogadores que saíram dos vestiários do Pacaembu recebiam recomendações para tirar o uniforme por medidas de segurança

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Na véspera do Choque-Rei, o Palmeiras mudou horário de treino para evitar encontrar manifestação de torcedores. Agora, com a derrota para o São Paulo, a preocupação aumentou. Os jogadores que saíram dos vestiários do Pacaembu recebiam recomendações até para tirar o uniforme por medidas de segurança.

A informação era passada pelo gerente de futebol Omar Feitosa, um dos principais alvos das cobranças da torcida. O dirigente abordou os primeiros a saírem dos vestiários. Sugeriu a quem estivesse com familiares e pretendia ir embora de táxi ou em veículo particular não usasse roupas que o caracterizassem como atletas do Palmeiras. Os argentinos Mouche e Allione preferiram voltar com o ônibus da delegação.

A tensão por mais uma derrota, no nono jogo seguido sem vitória do time no Brasileiro, foi evidente segundos após Alan Kardec fazer o gol da vitória são-paulina. Nas numeradas cobertas, alguém gritou “gol” e seguranças tiveram que evitar briga. Nas arquibancadas, foi aberto um clarão no setor das organizadas.

No momento em que o árbitro apitou o final do clássico, a Mancha Alviverde, principal organizada do clube, dirigiu palavrões contra o presidente Paulo Nobre. Torcedores dos outros setores adotaram ofensas similares ou piores enquanto procuravam o dirigente. “Ele tem que ser homem de aparecer”, gritou uma criança.

Ambiente bem diferente do que estava armado até pelas uniformizadas, que montaram um mosaico com o número 100 e a letra P dentro do segundo zero, em alusão ao centenário do clube. Nas arquibancadas verdes, foi exibida uma bandeira com a figura da Arrancada Heroica, quando o time deixou de ser Palestra Itália e foi campeão paulista em cima do São Paulo em 1942, no Pacaembu.

As celebrações visando o centenário também estiveram em campo, quando os jogadores saíram dos vestiários com um novo modelo de camisa, lembrando o Palestra Itália. Diferentemente do que tem ocorrido, até jogaram de verde com o símbolo do Palmeiras. mas a diretoria tão criticada pela torcida sugeriu, por segurança, que nenhum deles parecesse ser do clube.

Fonte: IG

Compartilhar: