Presidente do Corinthians diz que Guerrero foi agredido por torcedores

O presidente corintiano aproveitou para reafirmar que o clube pedirá a investigação e identificação dos autores da invasão de sábado

O atacante peruano Paolo Guerrero foi agredido pelos torcedores corintianos que invadiram o CT Joaquim Grava, no sábado, em protesto aos últimos resultados da equipe, segundo disse o presidente do clube, Mário Gobbi, em entrevista à Rádio Bandeirantes.

Cerca de cem torcedores entraram à força no local e, segundo o presidente, esganaram o autor do gol do título mundial do clube em dezembro de 2012, contra o Chelsea. Já era de conhecimento que funcionários do clube haviam sido agredidos e furtados no mesmo ato.

Atacante não escapou da ira dos torcedores. Foto:Divulgação
Atacante não escapou da ira dos torcedores. Foto:Divulgação

“É verdade. O Guerrero foi esganado aqui. O jogador que marcou o gol mais importante da história do Corinthians. Não merecíamos isso, acho que foi um retrocesso prestado ao clube. A amnésia toma conta do ser humano”, disse Gobbi.

Após o protesto, jogadores e diretoria do Corinthians reuniram-se no CT Joaquim Grava. Os atletas cogitaram não entrar em campo na partida deste domingo, às 17h (de Brasília), contra a Ponte Preta, mas foram demovidos da ideia pela cúpula do clube, que temia prejuízos com o ato.

O presidente corintiano aproveitou para reafirmar que o clube pedirá a investigação e identificação dos autores da invasão de sábado. Ainda falou da ação da diretoria do clube, que defendeu 12 torcedores que foram presos na Bolívia no caso que resultou na morte do garoto Kevin Espada, em uma partida da Copa Libertadores de 2013.

“Não me arrependi de ter defendido porque os 12 que estavam presos não têm nenhuma responsabilidade [do que ocorreu em Oruro]. Vamos pegar as gravações, filmes, fotos e amanhã (segunda-feira) vamos à policia pedir a abertura de um inquérito. E, se alguém de Oruro esteve aqui no CT, vai responder por seu ato. O que não pode é responder pelo que não fez. Aí é uma inversão de valores”, disse Gobbi.

Fonte:fsp

Compartilhar: