Presidente de honra do PV diz que candidatos não priorizam “o grave problema da seca”

Rivaldo diz que mais de 90 municípios do RN estão em estado de emergência

Presidente de honra do PV, Rivaldo Fernandes. Foto: Divulgação
Presidente de honra do PV, Rivaldo Fernandes. Foto: Divulgação

O presidente de honra do PV nacional, ambientalista e agitador ecológico Rivaldo Fernandes, diz estranhar que na atual campanha eleitoral os candidatos a governador não tenham apresentado até agora propostas concretas para o setor ambientalista, principalmente um projeto para convivência com a seca, que segundo ele, está se agravando a cada dia e já atinge níveis de colapso em mais de 90 municípios do Rio Grande do Norte. “O futuro governador do Estado terá que implementar políticas públicas de convivência com a seca, fenômeno que vai se agravar em consequência do aquecimento global. “Aqui no Estado, parece que os candidatos estão em Nova York, enquanto em São Paulo esse tema está sendo exaustivamente discutidos por todos os postulantes ao governo paulista”, observa o ambientalista.

Rivaldo Fernandes constata ser “gravíssima” a situação do Estado, citando que mais de 90 por cento dos municípios do Rio Grande do Norte estão em estado de emergência e as cidades de João Dias, Pilões, São Francisco do Oeste, Luiz Gomes, Antonio Martins, Paraná, Equador, Ipueira e São José do Seridó, estão em colapso pela falta d´água. “O açude Itans, que é o mais importante do Seridó, está com apenas 15 por cento da sua capacidade, enquanto o Armando Ribeiro Gonçalves, o mais importante do Estado, está com 40 por cento”, alerta, acrescentando que cidades como Jardim do Seridó, Paraú, Triunfo Potiguar, Jardim do Seridó, Campo Grande, Janduis e Messias Targino, estão fazendo rodízio no abastecimento. “Só estão de fora desse esquema de rodízio, até agora são os municípios de Natal, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Extremoz, Macau, Goianinha, Maxaranguape e Rio do Fogo”, ressalta.

Para ilustrar a tragédia verificada no Rio Grande do Norte em razão da seca, o especialista informa que 190 mil reses morreram e a bacia leiteira do Estado foi reduzida drasticamente. Com relação ao Nordeste, Rivaldo Fernandes atesta que o grau de gravidade da situação é 4 vezes maior, registrando prejuízo de 15 milhões de reais. “Comparando com o País, a situação do Rio Grande do Norte é 18 vezes pior”, disse ele, acrescentando que foram desmatados 98 quilômetros do bioma da caatinga do Estado e os efeitos da seca provocou um novo êxido rural para Natal e Grande Natal. “A situação é tão grave que o dinheiro do Bolsa Família está servindo para comprar água no interior”. E concluiu o ambientalista Rivaldo Fernandes: “é preciso que nos candidatos ao Governo do Estado priorizem esse problema que é da maior gravidade”.

Compartilhar: