Previsão é de chuvas para o primeiro trimestre no Nordeste 2014

Foram apresentados os parâmetros atmosféricos que influenciam diretamente na ocorrência de chuvas na região

Depois de um fim de ano seco e muito quente, todas as previsões dos especialistas indicam  chuvas para o primeiro trimestre de 2014. Embora a previsão não seja conclusiva devido às informações referentes aos oceanos ainda estarem em plena evolução, essa é uma boa notícia saída da II Reunião de Análise e Previsão Climática para a o Norte do Nordeste do Brasil, coordenada pela AESA – Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba. Nesse evento estiveram presentes representantes dos centros estaduais de meteorologia do Nordeste, CPTEC/INPE, UFCG, Defesa Civil Estadual e instituições afins.

Num primeiro momento, os estados apresentaram as condições pluviométricas referentes ao ano de 2013, destacando os baixos índices de chuva ocorrida nos estados, culminando com escassa agricultura e alta deficiência no armazenamento de água nos principais reservatórios na região semiárida, que atualmente apresenta um armazenamento em torno de 25% a 30% da capacidade máxima.

Em seguida, foram apresentados os parâmetros atmosféricos que influenciam diretamente na ocorrência de chuvas na região, com destaque à condição de temperatura das águas superficiais dos oceanos Atlântico e Pacífico. Essa variável, mesmo apresentado uma configuração com anomalias positivas no Atlântico Norte e negativas no Atlântico Sul, a evolução em relação aos meses anteriores se mostrou favorável, mostrando que o Atlântico Norte está esfriando, enquanto que o Atlântico sul apresentou um leve aquecimento. No oceano Pacífico, as águas continuaram apresentando anomalias negativas, em torno de -0,5ºC.

Outra variável que mereceu destaque pelos especialistas foi a condição do vento alísio de sudeste, tanto para o mês de novembro/2013, como para a primeira quinzena de dezembro/2013. Essa variável tem apresentado valores abaixo do normal, o que significa uma condição favorável para o deslocamento da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), principal sistema meteorológico causador de chuvas na região no período de fevereiro a maio, para posições mais ao sul em relação à linha do Equador. Ainda sobre a Zona de Convergência Intertropical, o seu posicionamento durante novembro de 2013, esteve sempre abaixo da sua posição normal para a época, isso quer dizer, mais próximo da região Nordeste, mostrando uma evolução favorável no seu deslocamento em relação à próxima quadra chuvosa.

Assim, com a análise dos parâmetros climáticos globais referentes ao mês de novembro de 2013, existe uma tendência de que as chuvas para os próximos três meses (janeiro, fevereiro e março de 2014) fiquem próximas da normalidade.

 

trgergq

Compartilhar: