Programa de Telemedicina da Sesap leva assistência cardiológica a todo RN

Referência no serviço para o país, o programa está presente em 117 unidades de saúde, nas oito Regiões de Saúde do Rio Grande do Norte, contemplando os 167 municípios do estado

Um total de 37 unidades de saúde utilizou o serviço no RN, tendo sido feitos 137 eletrocardiogramas. Foto:Divulgação
Um total de 37 unidades de saúde utilizou o serviço no RN, tendo sido feitos 137 eletrocardiogramas. Foto:Divulgação

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), por meio do Programa de Telemedicina, realizou no último mês de fevereiro 3.732 exames, com um total de 6.491 diagnósticos em cardiologia. Durante o carnaval, o programa reforçou a assistência aos foliões nas cidades de Macau, Caicó, Parnamirim, Mossoró e Touros, realizando 239 diagnósticos cardiológicos, entre eles 10 infartos. Um total de 37 unidades de saúde utilizou o serviço no RN, tendo sido feitos 137 eletrocardiogramas.

Referência no serviço para o país, o programa está presente em 117 unidades de saúde, nas oito Regiões de Saúde do Rio Grande do Norte, contemplando os 167 municípios do estado. Através dos aparelhos de tele-eletrocardiogramas portáteis disponibilizados aos municípios, o Programa de Telemedicina realiza exames de eletrocardiograma, com interpretação do traçado e laudo rápido e seguro em até 15 minutos, além de segunda opinião médica, caso necessário, 24 horas por dia, via internet, telefonia fixa e móvel.

Segundo o coordenador do Programa de Telemedicina, Carlos Eduardo de Albuquerque Costa, a telemedicina representa um grande avanço na assistência cardiológica do estado, na medida em que, não sendo possível haver um médico especialista em cada município para interpretar um eletrocardiograma, o programa é um suporte importante para cobrir locais remotos sem a presença desse profissional, assim como nas áreas urbanas dos municípios. Assim, explica o coordenador, o programa oferece os aparelhos, capacitação para o manuseio, laudo e segunda opinião médica, emitidos por profissionais especializados, que enviam o laudo para o usuário em poucos minutos através de fax ou e-mail, ou ainda por disponibilização na internet, de modo a ser acessado de maneira segura.

Todo esse serviço não acarreta custos para os gestores municipais. “Dessa forma, necessitamos do apoio do gestor de saúde para o cuidado com o equipamento portátil, por meio do qual se pode salvar vidas, para que a assistência à população não seja descontinuada”, destaca Carlos Eduardo.

Outro benefício ressaltado pelo coordenador foi a criação de um banco de dados, importante para evitar repetição desnecessária de exames já realizados, permitindo uma avaliação da evolução clínica do paciente, obtenção de estatísticas fidedignas e maior transparência na contabilização de serviços prestados. Além disso, as informações são fonte para estudos epidemiológicos e pesquisas clínicas.

Desde setembro de 2010, quando foi implantado, o programa já realizou 252.727 exames através de 234 tele-eletrocardiogramas, sendo 300 aparelhos hoje contratados. Desse total de exames, foram obtidos 438.813 diagnósticos, visualizando-se 10.559 infartos, que foram encaminhados para atendimentos na rede assistencial de alta complexidade cardiovascular do RN.

Compartilhar:
    Publicidade