Projeto Cidades Digitais vai atender oito municípios potiguares

As cidades terão, através de fibras óticas, os órgãos públicos locais interligados para facilitar o acesso aos serviços e promover o desenvolvimento

Erich01

No final de maio foi publicado o edital para a contratação das empresas que irão transformar 272 cidades brasileiras em Cidades Digitais, sendo oito delas municípios potiguares. Elas terão, através de fibras óticas, os órgãos públicos locais interligados para facilitar o acesso aos serviços e promover o desenvolvimento dos municípios brasileiros por meio da tecnologia. Além disso, serão instalados pontos de acesso à internet para uso livre e gratuito em espaços públicos de grande circulação, como praças, parques e rodoviárias.

“Com a implantação da infraestrutura de redes, será possível compartilhar informações entre os diversos entes da federação, levar celeridade para as ações que envolvam mais de um ente federativo, e contribuir para o desenvolvimento de políticas públicas mais efetivas” analisa Erich Rodrigues, vice-presidente do Conselho Consultivo da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações.

O objetivo do projeto, que foi incluído no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal, é contribuir para o desenvolvimento econômico local, por meio da implantação da infraestrutura necessária para provimento de serviços de telecomunicações de dados, voz e imagem. Assim, serão disponibilizados os aplicativos de governo eletrônico para as prefeituras nas áreas financeira, tributária, de saúde e educação e também será realizada capacitação dos servidores municipais para uso e gestão da rede.

No Rio Grande do Norte as cidades beneficiadas inicialmente serão Frutuoso Gomes, Portalegre, Riachuelo, Jaçanã, Baía Formosa, Ipanguaçu, Lajes e Santana do Matos. O edital prevê um prazo de 180 dias para que a empresa ou consórcio ganhador realize a implantação das redes metropolitanas que compõem o Projeto das Cidades Digitais, incluindo o fornecimento de fibra óptica, de equipamentos e softwares necessários à sua implantação, com instalação, capacitação, suporte técnico, garantias e operação assistida.

O projeto conta com a parceria do Ministério do Planejamento, da Telebras, do Inmetro e do BNDES e faz parte do processo de inclusão digital para a democratização dos meios de acesso à informação e ao conhecimento. “A implantação de infraestrutura de redes, principalmente em regiões mais remotas, traz grandes benefícios econômicos, entre eles a atração de provedores de acesso à internet e de empresas de tecnologia. Além disso, fomenta o uso de mão-de-obra local e, indiretamente, gera demanda para a sua qualificação”, aponta Erich Rodrigues.

Compartilhar: