Projeto de incentivo à leitura realiza doação de livros para escolas públicas brasileiras

Em 2013, apenas três escolas do RN aderiram ao projeto que visa beneficiar até 50 mil estudantes do país

Projeto idealizado pelo cronista Laé de Souza (acima) beneficia 400 escolas do País. Para Claudia Santa Rosa (detalhe), leitura tem que ser encarada como uma política pública. Foto: Divulgação
Projeto idealizado pelo cronista Laé de Souza (acima) beneficia 400 escolas do País. Para Claudia Santa Rosa (detalhe), leitura tem que ser encarada como uma política pública. Foto: Divulgação

Escolas públicas de todo o país poderão ser beneficiadas com novas experiências a partir da literatura e receber um reforço na luta contra a redução do déficit literário no Brasil. O Grupo ‘Projetos de Leitura’, instituição sediada em São Paulo que atua em todo o Brasil há 15 anos fomentando o hábito da leitura para crianças, jovens e adultos, promove a doação de livros e desenvolvimento de atividades a partir da leitura com os estudantes do 3º ano do Ensino Fundamental até o Ensino Médio de escolas públicas. O projeto, aprovado pelo Ministério da Cultura, partiu do cronista, dramaturgo e produtor cultural Laé de Souza, autor de vários projetos de incentivo à leitura.

Dentro dos diversos projetos existentes, desde o último dia 17 de fevereiro estão abertas as inscrições para o ‘Ler é Bom, Experimente’, que este ano, tem o objetivo de beneficiar entre 45 mil e 50 mil alunos de 400 escolas do país. “Nosso projeto consiste na doação de livros e material didático para escolas públicas, que são apenas responsáveis pelo pagamento do transporte. Estas escolas podem trabalhar com até três salas por instituição e recebem de 38 a 114 livros do autor Laé de Souza, que tem cinco livros de crônica lançados e dez infantis. Após a leitura dos livros, os alunos respondem a um questionário e fazem uma redação sobre o tema. Os três melhores alunos são premiados com livros do autor, que nunca concordou com a máxima de que o brasileiro não gosta de ler”, destacou a secretária do setor de Projeto de Leitura, Sabrina Lima.

As atividades nas escolas são monitoradas pelos professores com auxílio de um manual e apoio da equipe do Grupo Projetos de Leitura. As inscrições estarão abertas através do site www.projetosdeleitura.com.br e vão ser realizadas até o preenchimento das vagas.

No Rio Grande do Norte, em 2013 participaram apenas três escolas públicas localizadas nos municípios de Tibau do Sul, José da Penha e Lagoa de Pedras. Este ano, a expectativa é que mais escolas façam sua adesão ao projeto de incentivo à leitura. “No Nordeste o atendimento é mais difícil e um dos fatores é à distância, principalmente em município pequenos, bem afastados, já que a escola tem que arcar com o custo do transporte dos livros. Mas trabalhamos na conscientização dos gestores quanto à importância de oportunizar aos alunos a prática da leitura”, destacou Sabrina.

De acordo com Claudia Santa Rosa, educadora e presidente do Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE), a leitura em escolas é um direito e tem que ser encarada como uma política pública. “É preciso democratizar o acesso ao aluno, seja à leitura, à cultura, à arte. É um direito que deve ser garantido. Não há outro canal que não seja levar os livros para os alunos através das bibliotecas públicas, escolas, comunitárias. Mas não pode ser uma biblioteca parada e, sim, dinâmica, com programações como rodas de leituras e bate-papo com o autor. A biblioteca tem que ser uma política pública, garantida pelos entes federados, federal, estadual e municipal. O trabalho das ONGs chega a um número muito restrito de alunos e quem deve universalizar é o poder público”.

Ainda segundo Claudia Santa Rosa, apesar da longa caminhada para a efetivação do acesso à leitura, cidades como Natal já dão sinais de avanços dentro da política de incentivo à leitura. “Em dezembro conseguimos dentro da Lei Orçamentária Anual e do Plano Plurianual 2014 a 2017, R$ 10 milhões para a construção de quatro bibliotecas públicas, cada uma para as quatro zonas da cidade. Natal precisa ser referência para os outros municípios do Estado e vai consolidar uma política pública. Estamos bem esperançosos. Também estamos aguardando a conclusão da reforma da Biblioteca Câmara Cascudo e a abertura da biblioteca infantil da Cidade da Criança”, ressaltou.

ESCOLA DE LEITORES

As escolas municipais de Natal e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) já podem se inscrever na terceira edição do Concurso Escola de Leitores, voltado para a implantação, aprimoramento e consolidação de projetos de promoção da leitura literária e de formação de leitores nas redes públicas de educação do país.

A iniciativa, promovida pelo Instituto C&A, oferece a premiação de R$ 15 mil destinada para a melhoria dos projetos e da biblioteca das escolas, um ano de acompanhamento dos projetos, além de oferecer a dois representantes da escola vencedora um intercâmbio no Colômbia, país que tem a rede mais estruturada de bibliotecas públicas da América do sul. As inscrições para o concurso podem ser realizadas até o dia 02 de abril através do site: www.institutocea.org.br

Compartilhar: