Projeto de José Agripino é destaque na revista Isto É Dinheiro‏

De acordo com o projeto, o valor que pode ser deduzido no Imposto de Renda é de até R$ 80 mil por ano-calendário

As startups formam hoje, no Brasil, um grupo de dez mil empresas. Foto:Divulgação
As startups formam hoje, no Brasil, um grupo de dez mil empresas. Foto:Divulgação

Com o objetivo de estimular o desenvolvimento das chamadas startups - empresas inovadoras, com alto potencial de crescimento (geralmente criadas por jovens) –, o senador José Agripino apresentou mais um projeto de lei para beneficiar o setor. Em tramitação na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCTI) do Senado, a proposta do líder democrata deduz em até 20% do Imposto de Renda (IRPF) as aplicações feitas por investidores nesse tipo de empreendimento. A ideia do parlamentar potiguar recebeu elogios de especialistas e foi destaque na revista Isto É Dinheiro desta semana, uma das mais lidas pelo setor empresarial.

De acordo com o projeto, o valor que pode ser deduzido no Imposto de Renda é de até R$ 80 mil por ano-calendário. Além disso, os valores investidos deverão permanecer por pelo menos três anos na startup, que deverá ser selecionada pelo Ministério do Desenvolvimento. O investidor deverá ser sócio investidor ou sócio cotista da empresa, não podendo atuar como gerente, diretor ou administrador, nem ser acionista majoritário.

“Ou alteramos a legislação para promover o devido aporte de receitas no setor, ou ficamos inertes e tornamo-nos espectadores da crescente dependência tecnológica do Brasil em relação aos países desenvolvidos”, afirmou o líder democrata, que acredita que sua proposta incentivará o empreendedorismo e gerará empregos, principalmente entre os jovens.

Conhecido como “investidor anjo”, esse tipo de investidor é bastante comum em países como Estados Unidos, França, Inglaterra, Portugal e Itália. Com seu projeto, Agripino espera ampliar as possibilidades de investimentos nas startups brasileiras, aumentando a competitividade e chance de sucesso.

Startups

As startups formam hoje, no Brasil, um grupo de dez mil empresas. Segundo a Associação Brasileira de Startups, o setor movimentou, só em 2012, quase R$ 2 bilhões. Algumas empresas consideradas potências no mundo empresarial começaram a partir de uma startup, como o Facebook, Yahoo e Google. Agripino credita esse crescimento à “conjugação de boas ideias com o capital fornecido pelos chamados investidores-anjo”.

Compartilhar: