Omar O’ Grady: sinalização não foi feita e iluminação inexiste em alguns trechos

O prolongamento da avenida Prudente de Morais se arrasta desde 2007

Prolongamento-da-prudente--JA-(5)

A promessa de que o prolongamento da Avenida Prudente de Morais – Avenida Omar O’Grady – estará completamente pronta para uso vem sendo adiada constantemente.

Apesar da liberação do fluxo de veículos, quem já está utilizando a nova via corre o risco de se deparar com alguma situação inesperada, uma vez que ainda há homens e máquinas trabalhando na finalização das obras e não há nem sinalização nem iluminação.

O Jornal de Hoje percorreu todo o trecho do prolongamento da Prudente de Morais na manhã de hoje, começando pelo acesso que dá na BR-101, no sentido Emaús – Cidade Satélite. Em todo o trecho é possível notar que há uma confusão entre os motoristas, sem respeitar as faixas preferenciais e de velocidade pelo simples fato de não haver sinalização.

Além disso, a falta de iluminação, principalmente à noite, torna a via mais perigosa. Relatos de quem utiliza a nova avenida apontam registros de acidentes e assaltos na região. Este vespertino procurou a diretoria do Departamento de Estradas de Rodagem do Rio Grande do Norte (DER-RN) para saber quais os prazos para finalização das obras de construção da Avenida Omar O’Grady e início das sinalizações e iluminação.

Através da assessoria de imprensa, o órgão preferiu se ‘abster das informações’ porque ainda não há prazos definidos.

Na última matéria feita pelo JH, o DER informou que faria uma sinalização provisória na via e a sinalização permanente seria concluída até o final do mês de maio. A falta de condições mínimas para utilização da Avenida gera questionamentos sobre o motivo da liberação do fluxo de veículos.

A ideia era que o prolongamento da Prudente de Morais estivesse completamente pronto para beneficiar o trânsito da cidade durante o período de realização da Copa do Mundo em Natal. Os jogos na capital potiguar acabaram e o cenário de obra permanece. Em trechos da via estão algumas manilhas que serão utilizadas no sistema de drenagem da região, ainda a ser concluído.

Uma das razões levantadas que justificam o atraso da finalização da obra é o período de chuvas em Natal. Pendências com o Ministério Público e de ordem contratual com as empresas também já foram motivo para o atraso.

O prolongamento da Prudente de Morais se arrasta desde 2007. A primeira licitação tinha o valor de R$ 27 milhões e previa apenas duas passagens de nível em Cidade Satélite. Mais dois túneis foram incluídos e a obra passou a custar R$ 59 milhões.

Compartilhar: