PROS também deverá apoiar PMDB para retribuir trabalho de Henrique

Rafael Motta é o segundo a admitir votar em candidato do PMDB após declarações do deputado Agnelo Alves

... Do vereador Rafael Motta. Apoio é retribuição do trabalho de Henrique para a ida dele para nova a sigla. Foto: Divulgação
… Do vereador Rafael Motta. Apoio é retribuição do trabalho de Henrique para a ida dele para nova a sigla. Foto: Divulgação

Joaquim Pinheiro
Repórter de Política

O Partido Republicano da Ordem Social (PROS), liderado no Estado pelo deputado Ricardo Motta, presidente da Assembleia Legislativa, deverá ser a próxima legenda a declarar apoio ao PMDB nas eleições estaduais este ano – esta semana, o deputado estadual Agnelo Alves anunciou o apoio do PDT em entrevista aO Jornal de Hoje. Para discutir assuntos internos do partido, como a nominata que apresentará ao eleitorado, a posição que adotará nas eleições e, consequentemente e o nome que apoiará para governador, o PROS deverá se reunir está semana para ouvir lideranças e filiados e definir os rumos do partido em 2014.

“A tendência do nosso partido é fazer uma composição política com o PMDB para o Governo do Estado, mas vamos conversar com lideranças de outros partidos. Temos bom relacionamento com o senador José Agripino, por exemplo”, ressaltou o vereador Rafael Motta, presidente estadual do PROS e filho do deputado Ricardo Motta.

Para balizar a decisão do partido, ressalta-se o bom relacionamento político da família Motta com o deputado federal, Henrique Eduardo, a quem Rafael Motta atribui participação fundamental para a viabilização exitosa do PROS no Rio Grande do Norte, ao lado do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ricardo Motta.

Isso porque até setembro passado Rafael Motta era presidente do PP, mas acabou perdendo o cargo substituído pelo deputado federal Betinho Rosado, que assumiu a presidência da sigla e forçou Rafael e Ricardo a mudarem de sigla para não ficarem inviabilizados eleitoralmente em 2014 (precisava se filiar a um novo partido até 5 de outubro, um ano antes das eleições). A saída, então, foi ingressar no PROS, uma nova agremiação que era criada.

“A alternativa do PROS deverá mesmo ser a de votar no candidato apresentado pelo PMDB, até como forma de retribuição ao deputado Henrique Eduardo, presidente estadual da legenda, que tem sido correto com o nosso líder, Ricardo Motta”, completa o vereador Chagas Catarino, afirmando em seguida, que “o PMDB é o partido que reúne mais condições político/eleitorais para vencer as eleições deste ano e fazer uma mudança radical na administração estadual”.

De acordo com Rafael Motta, o PROS transformou-se em pouco tempo num partido forte e representativo no Rio Grande do Norte e como tal deve ser ouvido no processo sucessório estadual, inclusive em condições de compor uma aliança política indicando um nome para a chapa majoritária.

PROJEÇÃO PARA AS ELEIÇÕES

Os líderes do PROS projetam reeleger os deputados Ricardo Motta, Raimundo Fernandes, Gustavo Carvalho Vivaldo Costa e Gilson Moura, além de mais dois novatos que poderão ser Albert Dickson (atual presidente da Câmara Municipal) e Chagas Catarino (vereador do partido, segundo mais votado com 8063 votos na última eleição). O PROS deverá eleger também, um deputado federal, cujo nome já foi definido: Rafael Motta, que deverá ser um dos mais votados no próximo pleito.

PERFIL DO PROS

A composição nacional do PROS é representada por 300 prefeitos, 4 mil vereadores, 28 deputados federais e 60 deputados estaduais, sendo 3 presidentes de Assembleias Legislativas no Rio Grande do Norte, Ceará e Roraima. O PROS transformou-se na 7ª bancada do Congresso Nacional e é o 2º maior partido do Rio Grande do Norte, ficando atrás apenas do PMDB. Em número de cadeiras no legislativo o PROS é o maior partido no Estado. Conta com 18 prefeitos no Rio Grande do Norte e mais de 100 vereadores, o que segundo o presidente da legenda, vereador Rafael Motta, confere um potencial de votos bastante significativo.

Compartilhar:
    Publicidade