Protesto contra a Copa teve duas prisões por desacato à polícia

Quantidade de policiais antes do jogo EUA e Gana impressionava

Protesto-Copa-JA

Apontado como o maior protesto que Natal teria durante a Copa do Mundo, o ato contra os gastos no Mundial realizado nesta segunda (16) contou com cerca de 300 manifestantes, apesar de 1300 terem confirmado participação em uma rede social. Segundo a PM, tudo ocorreu de forma tranquila.

“Não houve nenhum incidente mais grave. Porém, duas pessoas foram detidas por terem desacatado policiais”, afirmou o comandante geral da Polícia Militar do Rio Grande do Norte, coronel Francisco Araújo. O protesto teve início às 16h, em frente ao shopping Midway Mall, na Zona Leste da cidade, que fica a 2,5 quilômetros do Arena das Dunas, onde Estados Unidos e Gana se enfrentaram a partir das 19h.

O grupo tinha a intenção de seguir até o Arena. Eles caminharam pela Avenida Salgado Filho, mas não conseguiram passar pelos bloqueios que foram feitos pelo polícia. “Temos 27 pontos de contenção nos 2 km do perímetro de segurança do Arena das Dunas. Quem tentasse ultrapassar iria ser impedido e preso”, explicou Araújo.

Sem sucesso na aproximação do local da partida, os manifestantes se dispersaram por volta das 17h40. O ato foi convocado por 21 entidades e sindicatos com o objetivo de denunciar a falta de investimentos em áreas sociais e contra a visita do vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que veio a Natal para assistir ao jogo. “A situação da saúde do Rio Grande do Norte é um absurdo, mas não é só na saúde. Segurança, habitação, educação, tudo está um caos. Vamos mostrar essa realidade. Natal é um município que não aguenta dois dias de chuva e teve um gasto enorme com a Copa. Falaram que a situação iria melhorar com a Copa do Mundo, mas nada mudou. Só a revolta da população que aumentou”.

Da Avenida Salgado Filho, o grupo desceu pela Antônio Basílio no sentido Prudente de Morais. Então os sindicalistas se dispersaram e o protesto continuou com aproximadamente 50 pessoas. O grupo retornou para o shopping Midway Mall e também acabou se dispersando. “O nosso objetivo era manter o direito de protesto, que qualquer um pode fazer e manter tudo de forma pacífica. Conseguimos fazer os dois e por isso considero que tudo foi um sucesso”, o coronel Araújo.

Compartilhar:
    Publicidade