PSDB acusa Padilha de fazer propaganda eleitoral fora de hora

Líder do partido da Câmara, Sampaio diz que ministro da Saúde não pode ficar impune

Padilha deixará Ministério da Saúde nos próximos dias. Foto: Elza Fiuza/10.07.2013/ABr
Padilha deixará Ministério da Saúde nos próximos dias. Foto: Elza Fiuza/10.07.2013/ABr

O deputado Carlos Sampaio (SP), líder do PSDB na Câmara, irá denunciar Alexandre Padilha na PGR (Procuradoria Geral da República) por acreditar que ele fez “campanha eleitoral antes da hora”. Na última quinta-feira (30), o ministro da Saúde apareceu em rede nacional para falar sobre a campanha de vacinação contra HPV, que começará na primeira quinzena de março. Segundo Sampaio, Padilha também usou o espaço para autopromoção.

O pronunciamento durou aproximadamente quatro minutos, e, segundo Sampaio, o ministro usou uma parte do tempo para falar sobre o que fez durante a sua gestão, que chega ao fim nesta semana. O deputado criticou a ação Padilha e espera que ele seja investigado por improbidade administrativa.

— Observa-se que, sob o pretexto de prestar informações sobre a campanha de vacinação contra o HPV, que só será iniciada no dia 10 de março de 2014, o pronunciamento do ministro Alexandre Padilha, dias antes de deixar o cargo, possuiu nítido cunho eleitoral, caracterizando-se como promoção pessoal de autoridade pública.

O deputado tucano afirma que o ministro da Saúde deve ser punido, já que usou recursos públicos para se projetar como candidato ao governo de São Paulo antes do momento certo.

— O PT é useiro e vezeiro na utilização de recursos públicos em benefício dos seus companheiros e do seu projeto de poder. O ministro Padilha, em uma desesperada tentativa de viabilizar sua candidatura ao governo de São Paulo, aproveitou-se de uma campanha de vacinação para fazer propaganda eleitoral fora de hora. Trata-se de uma ilegalidade que não pode ficar impune.

 

Fonte: R7

Compartilhar: