Quando o sonho adolescente vira uma máquina de fazer dinheiro

No Arizona, menina de 14 anos criou uma marca de bijuterias que vai faturar 250 milhões de dólares em 2013. Veja outros casos de adolescentes que têm patrimônio de gente grande

Hoje, três anos depois de fundar a Origami Owl, marca de bijuterias personalizadas, Bella poderia ter qualquer carro que ela quisesse. Foto:Divulgação
Hoje, três anos depois de fundar a Origami Owl, marca de bijuterias personalizadas, Bella poderia ter qualquer carro que ela quisesse. Foto:Divulgação

Aos 14 anos, a americana Isabella Weems, do Arizona, sonhava com seu presente de aniversário de 16 anos: um carro usado. Os pais da garota, no entanto, disseram que o automóvel só viria se ela fizesse por merecer, e sugeriram que ela começasse um negócio. Hoje, três anos depois de fundar a Origami Owl, marca de bijuterias personalizadas, Bella poderia ter qualquer carro que ela quisesse. É a dona de uma empresa que, segundo a revista “Forbes”, vai faturar 250 milhões de dólares em 2013 — algo em torno de meio bilhão de reais. Escolheu um Jeep branco, chamado Alice.

Após muita pesquisa na internet, a garota abriu a empresa renovando uma fórmula já antiga. “Escapulários [pingentes onde você pode guardar fotos ou objetos] sempre existiram, então pensei: ‘Por que não colocar lembranças dentro?’”, contou a jovem de 17 anos.

Foi assim que nasceu a ideia de fazer medalhões onde as garotas podem colocar pequenos objetos que remetem a um acontecimento importante em sua vida, como namoro, família ou amizade. No início, Bella oferecia os pingentes somente para as amigas em festinhas caseiras. Segundo ela conta, o produto se vendia praticamente sozinho.

O próximo passou foi abrir um quiosque em um shopping durante o Black Friday, quando o escapulário ficou famoso, mas a grande sacada da família foi investir em vendas diretas. Com o modelo de negócios — onde o consumidor pode virar representante da marca — a empresa faturou 280 mil dólares (R$ 666 mil) no primeiro ano.

Hoje o Origami Owl virou febre e tem vendedoras em todos os Estados Unidos, com convenções mensais e novos designers trabalhando para a marca diariamente. Bella ainda está terminando o ensino médio e quando se formar pretende tomar o controle do empreendimento, atualmente gerenciado por sua mãe e um tio.

Fonte:IG

 

 

Compartilhar: