RADICALISMO – Túlio Lemos

Wilma de Faria e Henrique Alves, dois políticos que sobreviveram politicamente graças ao radicalismo, entraram na fase paz e amor…

Wilma de Faria e Henrique Alves, dois políticos que sobreviveram politicamente graças ao radicalismo, entraram na fase paz e amor e expressam que não vão radicalizar durante a campanha. É um discurso com cheiro de vitimização e defesa antecipada de denúncias que poderão vir na campanha.

RADICALISMO II

Por falar em radicalismo, na eleição passada em Natal, o prefeito Carlos Eduardo chamou o primo Garibaldi Filho de radical, justamente o único da família Alves que nunca foi radical em campanha. O estilo do pai de Waltinho sempre foi diferente dos demais integrantes da oligarquia Alves.

FALSIDADE

Essa história de fim do radicalismo é a mais pura falsidade dos políticos. Eles travam as batalhas mais sujas nos bastidores, tentam destruir seus adversários com todo tipo de atitude e, publicamente, adotam o estilo puritano, numa encenação recheada de hipocrisia e cinismo.

REALIDADE

A campanha precisa de realidade, de verdade. Desde que não haja invasão de privacidade ou distorção dos fatos, é necessário que haja discussão sobre a vida pregressa de cada candidato, suas eventuais maracutaias precisam ser exumadas e mostradas à sociedade. Afinal, se o eleitor depender apenas do que os marqueteiros mostram, teremos uma campanha só com ‘anjinhos’; surrupiando do eleitorado a verdadeira face de nossos políticos.

FILIAÇÃO

O vereador e secretário Raniere Barbosa assina ficha de filiação no PDT, partido presidido pelo prefeito Carlos Eduardo. Raniere tem sido um dos melhores auxiliares da atual gestão e bom articulador político, com trânsito em diferentes correntes da cidade.

GREVE

Absurda essa atitude dos rodoviários em descumprir uma decisão judicial e permanecer em greve, prejudicando toda a população. Anarquia que não ajuda em nada as reivindicações.

ACORDO

Sherloquinho diz que a motivação maior do senador José Agripino para negar a legenda do DEM a Rosalba e se aliar ao projeto do deputado Henrique Alves, teria sido a ‘força’ que o presidente do PMDB deu para que a empresa do filho de Agripino, deputado Felipe Maia, continuasse abastecendo as aeronaves no novo aeroporto de São Gonçalo do Amarante. Será?

PROMESSAS

O poder público, em suas três esferas de executivo, Prefeitura, Governo do Estado e União, tem demonstrado total incapacidade para solucionar os problemas provocados pelo deslizamento de terras em Mãe Luíza. Celeridade e solução cedem lugar para demora e promessas.

Compartilhar: