Recurso da CBF funciona e liminar do Icasa é derrubada na Justiça

O Icasa entrou com processo por causa da escalação irregular do volante Luan, do Figueirense, na Série B-2013

Carlos Eugênio Lopes é homem de confiança de José Maria Marin. Foto: Divulgação
Carlos Eugênio Lopes é homem de confiança de José Maria Marin. Foto: Divulgação

Tudo como dantes no quartel de José Maria Marin. Em uma medida que varou a noite de quarta-feira, a CBF teve nesta quinta a resposta de que a liminar a favor do Icasa foi cassada.

Desta forma, a Série A do Brasileirão volta a ter 20 clubes e o Icasa vai ter de entrar em campo na sexta-feira pela Série B, contra a Ponte Preta.

A queda da decisão foi resultado do agravo de instrumento interposto pela CBF, após receber resposta negativa da juíza da 4ª Vara Cível do Rio ao pedido de levar o caso para a 2ª Vara, citando o conflito de competência do caso Lusa.

Os advogados da CBF, Carlos Eugênio Lopes, e do Icasa, Carlos Eduardo Guerra, foram ouvidos pessoalmente pelo desembargador do plantão judiciário e a decisão foi sacramentada nas primeiras horas desta quinta.

O Icasa entrou com processo por causa da escalação irregular do volante Luan, do Figueirense, na Série B-2013. O clube cearense acionou inicialmente a Justiça Desportiva, mas já em fevereiro deste ano. Como o fato aconteceu em maio do ano passado, a procuradoria entendeu que houve prescrição e nem denunciou o clube catarinenese. Só que a própria CBF admitiu ter errado e deixado a situação de Luan irregular após um “teste” no BID, que desativou o contrato de empréstimo do jogador com o Metropolitano e reativou o vínculo com o Figueira. Mas essa mudança foi indevida e a CBF desfez a operação, deixando o jogador irregular.

Fonte: Lancenet

Compartilhar:
    Publicidade