Rede de apostas pretendia manipular partidas no Mundial do Brasil

Jornalista investigativo indicou 14 suspeitos que foram detidos no ano passado

Agência de anticorrupção conteve o plano de criminosos. Foto:Divulgação
Agência de anticorrupção conteve o plano de criminosos. Foto:Divulgação

Uma rede de manipulação de partidas em todo o planeta pretendia atuar no Mundial do Brasil, indicou nesta segunda-feira (16) um jornalista investigativo de Cingapura, onde 14 suspeitos de envolvimento na rede foram detidos no ano passado.

A organização estabeleceu uma lista de jogadores e dirigentes corruptos apoiando-se em partidas disputadas no exterior, nas ligas nacionais e em amistosos internacionais”, escreveu o jornalista Zaihan Mohamed Yusof, citando um importante dirigente de Cingapura não identificado.

“Durante o Mundial, o que vão fazer é arrecadar (seus lucros de apostas). É preciso fazer algo para impedi-los. Nós não podemos correr o risco”.

Yusof também mencionou Michael Pride, chefe de operações do serviço de investigação de partidas manipuladas, o (SI), com sede na Austrália, afirmando que “esta organização prepara aparentemente apostas seis meses antes das partidas de primeiro plano”.

A polícia e a agência anticorrupção de Cingapura prenderam em setembro passado 14 supostos membros desta organização.

No início de 2013, uma investigação sem precedentes da Europol revelou a existência de centenas de partidas com resultados manipulados em todo o mundo, entre os quais figuravam os jogos da Liga de Campeões da Europa e das eliminatórias para o Mundial. O cartel criminoso tinha sua base em Cingapura.

Fonte: R7

Compartilhar: