Repasses federais para a saúde do RN são cobrados no plenário do Senado

O político reclamou que os problemas da saúde pública do RN estão sendo agravados pela paralisação de diversos serviços que não estão funcionando por falta de recursos do governo federal

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Nesta quarta-feira (21), no plenário do Senado, em Brasília, a questão dos repasses federais para a saúde do Rio Grande do Norte foi tema do discurso do senador Paulo Davim.

O político reclamou que os problemas da saúde pública do RN estão sendo agravados pela paralisação de diversos serviços que não estão funcionando por falta de recursos do governo federal.

Segundo Paulo Davim, o governo federal deveria repassar R$ 7,5 milhões por mês ao Rio Grande do Norte para custeio de ambulâncias do SAMU e UTI pediátrica do Hospital Infantil Varela Santiago, mas o Ministério da Saúde já informou que pode transferir no máximo R$ 1,5 milhão por mês e pediu que sejam indicados as prioridades.

“A prioridade é tudo: é a UTI pediátrica, são as cirurgias oncológicas, é a UTI do hospital de urgência, é o Hospital da Mulher. Todos são prioridades. Portanto, reitero apelo para que o Ministério da Saúde olhe com outros olhos para a saúde pública de Natal, do Rio Grande do Norte, porque o povo padece e precisa da atenção do governo”, disse.

Em audiência no último dia 14, em Brasília, a Governadora, Rosalba Ciarlini, acompanhada do Secretário de Estado da Saúde Pública, Luiz Roberto Fonseca, do presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves, e do Deputado Federal, Betinho Rosado, pleiteou, junto ao Ministro da Saúde, Arthur Chioro, a agilidade na aprovação de alguns processos relativos a saúde no estado.

“Nem os leitos de UTI, nem os de gestação de alto risco do Hospital da Mulher recebem investimentos do Ministério da Saúde. A unidade vem sendo mantida, exclusivamente, com recursos oriundos do Governo Estadual, apesar das dificuldades econômicas vivenciadas pelo estado”, destacou o secretário de Saúde.

De acordo com Rosalba Ciarlini, “na área da oncologia, onde se realizam procedimentos de quimioterapia e radioterapia, o Governo do RN viabilizou com recursos próprios a compra de dois aceleradores lineares (aparelhos de radioterapia) que custaram em torno de R$ 6 milhões, sendo um para a Liga Mossoroense de Estudos e Combate ao Câncer e outro para a Liga Norte-Rio-Grandense Contra o Câncer (Natal) e vem mantendo sozinho esta assistência para o tratamento do câncer no estado”, ressalta a Governadora.

Entre os processos ainda em tramitação no Ministério da Saúde estão: a habilitação de 7 leitos de UTI Neonatal em Natal (Hospital Santa Catarina) e Mossoró (Hospital da Mulher e Casa de Saúde Dix-Sept Rosado); a habilitação de 23 leitos de Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) Canguru em Mossoró (Hospital da Mulher e Casa de Saúde Dix-Sept Rosado); renovação da pactuação da cardiologia infantil; a habilitação do Hospital da Mulher como unidade de referência para gestação de alto risco; habilitação e qualificação de 5 ambulâncias do Samu 192/RN, que permitirá ativar mais uma Unidade de Suporte Avançado (USA) no Seridó, além de questões relativas às redes de urgência e emergência, atenção à saúde mental, rede Cegonha e cuidados oncológicos.

Compartilhar: