Requerimento desconvocando Carlos Eduardo deve ser votado na sessão de hoje

Vereador Júlio Protásio, no entanto, acredita que solicitação foi ilegal e vai tentar barrar convocação

Carlos Eduardo foi convocado na terça-feira, em requerimento aprovado por unanimidade na Câmara. Foto: Divulgação
Carlos Eduardo foi convocado na terça-feira, em requerimento aprovado por unanimidade na Câmara. Foto: Divulgação

Vereadores natalenses digladiaram-se novamente na sessão desta última quarta-feira a partir do momento em que o líder do governo municipal, vereador Júlio Protásio, do PSB, colocou em discussão um requerimento para anular um documento aprovado por unanimidade na sessão anterior convocando o prefeito de Natal, Carlos Eduardo para dar explicações no plenário do Poder Legislativo sobre a não implementação da lei da bilhetagem eletrônica, da sua própria autoria. Os oposicionistas ficaram revoltados e foi iniciado um processo de discussão externando insatisfações e acusações, tanto ao prefeito, quanto ao líder e ao presidente da Casa, vereador Albert Dickson, que tentou conduzir os trabalhos com moderação. “Carlos Eduardo não vem porque é arrogante”, disse Amanda Gurgel, do PSTU, alegando ter havido pressão por parte do SETURN para que o prefeito não comparecesse a plenário.

A vereadora Júlia Arruda, do PSB, considerou o debate “inócuo” e disse que o prefeito tem que dar satisfação à sociedade. Sandro Pimentel, do Psol, afirmou que o requerimento convocando o prefeito foi debatido, é legítimo, teve sua procedência ratificada pela unanimidade da Casa e portanto, não pode ser rejeitado. “A retirada do requerimento é um golpe e um desrespeito ao Regimento Interno da Casa”, ressaltou o vereador do Psol. O líder do prefeito na Casa, o vereador Júlio Protásio, sugeriu que fossem pedidas explicações ao prefeito por escrito ou até mesmo convocar a secretária Elequicina Santos para dar as informações solicitadas pelos vereadores. “A oposição quer transformar o caso em palanque eleitoral e atingir o prefeito”, afirmou o líder. Enquanto o vereador do Psol, Marcos Antonio afirmou: “Essa Casa está se transformando em capacho do prefeito”, criticou

O presidente da Câmara Municipal, vereador Albert Dicskon, do PROS, alertou os vereadores dizendo que “ninguém ganha no grito, mas no debate” repudiando em seguida o gesto de alguns parlamentares de desrespeito aos vereadores e a própria instituição. A sessão prolongou-se até início da noite, mas o requerimento anulando a votação anterior ficou para ser discutido e votado na sessão desta quinta-feira à tarde. (JP)

Compartilhar: