RESPEITO AOS ARTISTAS DA NOSSA TERRA… PEÇO!

Bom dia, queridos leitores (as)! Antes de mais nada; peço-lhes encarecidamente, que me perdoem por hoje escrever-lhes na linguagem erudita;…

Bom dia, queridos leitores (as)!

Antes de mais nada; peço-lhes encarecidamente, que me perdoem por hoje escrever-lhes na linguagem erudita; bem como por externar-lhes a minha indignação… Há pouco tempo; três ou quatro anos, se não me falha a memória; acho que faz esse tempo mesmo; pois foi durante o Governo de Luiz Inácio Lula da Silva; foi reconhecida e regulamentada a “profissão” de POETA; seja ele, poeta repentista ou como chamam no nosso meio; poeta da caneta; que é aquele que escreve suas obras, decora e declama seus versos; sejam eles rimados e/ou metrificados ou não. Só, que desde que essa lei foi criada, aprovada, sancionada e tudo o mais a que tem direito uma lei que se preze; alguns “agentes culturais” da nossa Cidade do Natal; ainda desconhecem a existência da mesma… Falo isso, porque tenho exemplo e experiência própria; que nós poetas; populares e/ou eruditos; não temos considerada como profissão “de fato” (Já temos de direito…), a nossa atividade. Ontem, por exemplo; estava eu na Casa do Cordel, com meu colega Antonio Francisco, de Mossoró; conversando sobre isso. Antonio tinha vindo participar de um evento lá na Zona Norte de nossa capital, mais precisamente onde foi a Colônia Penal Dr. João Chaves. E a pessoa que estava lhe servindo de cicerone e/ou empresário, estava conversando conosco, sobre um evento que vai haver no IFRN no dia 15 próximo vindouro. E falava com um orgulho muito grande e justificado; diga-se de passagem; em Dr. Fulano, Dr. Cicrano, Dr. Beltrano; Delegado Fulano e mais uma infinidade de figuras importantes da nossa sociedade. E a certa altura; falou para Antonio Francisco:

- Você está certo, não é; Tonho ? Não pode faltar, seu assunto já está resolvido…

Em seguida, se virando para mim; travamos o seguinte diálogo:

- E você, Bob; quer participar do evento também ?

- Participo sim; como vai ser ?

- Vai ser no auditório do IFRN; à partir das 19 Hs. do dia 15 do mês que estamos.

E eu, por minha vez, indaguei:

- Fulano; quem está organizando o evento ?

- Eu!

- Ótimo; e vai ter cachê ?

Meus amigos e amigas; o homem perdeu a côr; ficou trêmulo e disse “curto e grosso”:

- Não!

- É o grande mal da grande maioria dos nossos agentes culturais; pensar que poeta “nem come nem tem contas a pagar”. Você falou no nome de várias pessoas importantes no universo da sociedade natalense; e quer que eu vá trabalhar de graça para essas pessoas; sem receber absolutamente nada pelo meu trabalho ? Você quer que eu acredite que Antonio Francisco vem de Mossoró prá cá; sem receber nenhum tostão de cachê ? Isso é um comércio; onde o poeta é o comerciante, que tem como mercadoria, a sua produção fonográfica e/ou literária e suas apresentações.

- Você não fica sem ganhar nada não, pois pode vender seus cordéis e CD’s; pois lá vão estar grandes empresários. E eu vou dizer que vocês são “profissionais” que não cobraram cachê e que eles devem comprar o material que vocês levarem…

- E as nossas apresentações no palco; será que não tem valia nenhuma ? Quanto ao fato de você dizer em tom pejorativo que eu sou “profissional”; saiba que eu tenho muito orgulho dessa minha profissão; tanto quanto a de Administrador de empresa e de Técnico de Segurança do Trabalho; nas quais sou formado. A de POETA recebi esse dom, de PAPAI DO CÉU…

O cidadão ficou com mais, mais, mais; e não respondeu absolutamente nada. E por mais incrível que possa lhes parecer; esse cidadão faz parte da SPVA-RN; SOCIEDADE DOS POETAS VIVOS E AFINS DO RIO GRANDE DO NORTE… Viva os Órgãos Governamentais a nível estadual e municipal, que “quando chamam” nós, artistas da terra de Cascudo; têm tido até hoje, a consciência, através dos seus gestores, de nos pagarem por nosso trabalho… Senhores Agentes Culturais, tenham respeito com os poetas e artistas populares do Rio Grande do Norte!…

Compartilhar: