Respeito é bom, nós gostamos e exigimos – Alex Medeiros

Por Edison José Ferreira   Tenho 53 anos, com deficiência física causada por uma Distrofia Neuro-Muscular Degenerativa (Síndrome de Becker,…

Por Edison José Ferreira

 

Tenho 53 anos, com deficiência física causada por uma Distrofia Neuro-Muscular Degenerativa (Síndrome de Becker, CID-G71.0), que não seria beneficiário desta pseudo-tecnologia Nicolelis, do “fiasco” apresentado na cerimônia de abertura da copa e que “quase alguém” viu, só no replay!

Em solidariedade com pessoas com deficiências por acidente medular que também criaram, como eu, uma expectativa monumental alimentada á falsas promessas e foram desrespeitadas e vilipendiadas por um “Migué” Nicolelis.

Miguel Nicolelis, sem dúvida realiza grandes pesquisas em neurociências. Mas com relação ao exoesqueleto do pontapé inicial da copa, vendeu uma coisa e entregou outra. Que decepção!!! Mais uma vez fomos enganados na tão esperada e ansiosamente aguardada, por mim e todas as pessoas com deficiências, abertura da copa do mundo.

Um engodo e uma incoerência para justificar milhões de cifras dispendidas, numa técnica desenvolvida no começo do século passado que usa eletrodos colocados no couro cabeludo.

A técnica que será utilizada vai ser o EEG e não interface cérebro-máquina ICM, técnica esta tão alardeada pelo Nicolelis, inclusive para justificar vultoso investimento público. Isso é uma mudança muito profunda no projeto.

O EEG é uma técnica muito limitada e foi criticada pelo próprio Nicolelis. A mudança recente, na maneira como serão captados os sinais cerebrais que controlarão o exoesqueleto, traz dúvidas sobre os avanços do projeto no campo da neurociência.

Em sua carreira, Nicolelis sempre fez uma defesa intransigente do implante de eletrodos dentro do cérebro para captar a atividade simultânea de neurônios individuais. Era crítico de métodos não invasivos como a eletroencefalografia, (ECG), técnica desenvolvida no começo do século passado que usa eletrodos colocados no couro cabeludo para obter tais registros.

Críticas a esta técnica estão em seu livro, em artigos e já rendeu até embates públicos. Em artigo publicado em 2008 na “Scientific American Brasil” e assinado por John Chapin, Nicolelis diz: “Os sinais de ECG, no entanto, não podem ser usados diretamente em próteses de membros, pois mostra a atividade elétrica média de populações amplas dos neurônios. É difícil extrair destes sinais as pequeníssimas variações necessárias para codificar movimentos precisos dos braços ou das mãos”.

“Quando você tem uma fonte cerebral, uma intenção de movimento, você gera um campo eletromagnético que se espalha até o couro cabeludo”, diz Carlos Julio Tierra Criollo, professor do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe). “Aí chega à atividade de muitos grupos de neurônios. É muito difícil identificar claramente a fonte cerebral. Nós, por exemplo, estimamos que a área motora é ativada, mas vemos que há a condução de várias outras regiões. Mesmo com técnicas invasivas, os controles mais finos são muito difíceis, porque eles envolvem outras estruturas além do córtex cerebral”.

O cerebelo, por exemplo. Alexsandro Silva, completa: “Para o experimento de Nicolelis dar certo, seria preciso captar on-line sinais de estruturas subcorticais, e não apenas do córtex. Hoje em dia não temos conhecimento de cientistas que conseguiram fazer isso”.

Pela expectativa criada pelo Nicolelis, a FIFA nos poupou do “vexame” e de virar uma “piada” mundial num assunto tão sério, de relevância social e humanitária. Bom mesmo foi pro “migué” que pode botar a culpa de sua incompetência e falta de respeito em alguém.

Para manter o compromisso com a verdade e credibilidade do projeto, seria salutar uma nova aparição midiática e visionária para comprovação de todas as etapas enunciadas e não concluídas na apresentação de abertura da copa, segundo o neurocientista.

“A coisa mais importante na vida de um cientista é seu compromisso com a verdade”, declarou o neurocientista Ricardo Gattass, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). (EJF)

Marinho Chagas

O poeta Marciano Medeiros acaba de concluir uma biografia do maior jogador da história do RN e um dos maiores do Brasil, toda escrita em literatura de cordel. Em estrofes de sete versos, a obra tem como título “Marinho brilhou no futebol mundial”.

Lançamento

O trabalho poético sobre Marinho Chagas já entrou no prelo e terá mil cópias. O lançamento está marcado para o dia 4 de julho, na Capitania das Artes, durante a programação “Sexta da Viola”. O autor e o biografado merecem um bom público.

Referência

A revista IstoÉ está nas bancas com uma reportagem especial sobre um tema já bastante abordado aqui na coluna. O fato de Neymar ser o primeiro jovem de 22 anos a ser a grande referência da seleção brasileira, situação só ocorrida com Pelé em 1962.

Diferença

Ocorre que em 1962, além de Pelé aos 21 anos ter abandonado a Copa por contusão, existiam outras referências, como Didi e Garrincha. Também em 1998, quando Ronaldo Nazário tinha 22, o time brasileiro contava com Rivaldo e Dunga, dois maestros.

Maracanaço

Não deixem de acessar o site da revista Época e curtir a narrativa ilustrativa do americano Christoph Niemann, do The New York Times. Na busca pela alma do futebol brasileiro, ele presta uma bela homenagem ao goleiro Barbosa, da Copa de 1950.

Ibope

Por mais que os jornalistas de política e os assessores de campanha teimem no oba-oba, a maioria esmagadora da população do RN está completamente alheia à eleição de outubro. A pesquisa espontânea diz mais que a estimulada. O povo está cabreiro.

Ibope II

O leitor precisa entender que os índices de Henrique Alves (28%) e de Robinson Faria (26,9%) na aferição estimulada são uma ínfima parte do total do eleitorado. São oriundos de um microuniverso, já que mais de 75% não têm ainda candidato.

Marketing

O vice-governador Robinson Faria tirou parte da tarde de ontem para conversar com os homens de criação da sua campanha: o marqueteiro João Maria Medeiros e os redatores Eugênio Pereira, João Saraiva e Patrício Junior. O encontro foi na Prisma Produções.

Nova geração

Atento observador da cena urbana – e também rural, o jornalista Vicente Serejo calcula que os candidatos Fábio Faria (PSD), Rafael Motta (PROS) e Walter Alves (PMDB) atinjam a marca de 200 mil votos. Estão ocupando os caminhos abertos pelos pais.

Comércio

Por todo o Brasil, lojistas e outros comerciantes reclamam da inércia causada pela Copa. Os turistas estrangeiros não vieram ao Brasil fazer compras, mas apenas ver os jogos e frequentar bares e restaurantes. Exceto nos shoppings, o resto do comércio parou.

Compartilhar:
    Publicidade