Retomada das obras no Viaduto do Baldo deverá ser decidida nesta quarta-feira

Nova licitação será convocada caso construtora não aceite limite de preços do projeto

65U656UI56U56U5

Marcelo Lima

Repórter

A Secretaria Municipal de Obras Públicas e Infraestrutura (Semopi) está aguardando a resposta da BMB Construtora, empresa responsável pela obra de recuperação do Viaduto do Baldo, sobre os ajustes feitos no projeto executivo e no valor da obra de recuperação da estrutura. “Apresentamos a planilha orçamentária nessa reunião à empresa e estamos esperando dar uma resposta até amanha (23). Na hipót ese da empresa não aceitar os preços da tabela Semopi, nós rescindiremos o contrato e convocaremos nova licitação”, afirmou taxativamente Tomaz Neto, secretário municipal de Obras e Infraestrutura.

Dentro da planilha apresentada pela Semopi, a empresa deve fazer seu orçamento. De acordo com a lei de licitação, o limite de acréscimo no valor da obra de reparo e manutenção é de 30% do valor inicial.

Inicialmente, a obra de recuperação do Viaduto do Baldo foi orçada em R$ 1,79 milhão. Com essas mudanças, o valor só pode chegar a R$ 2,32 milhões, o que representa 30% de aumento do valor inicial.

A última readequação do projeto executivo foi feita por um dos engenheiros originais do viaduto, Hugo Mota. Mas em fevereiro deste ano, o engenheiro José Pereira, que também fez um laudo da situação do equipamento, apresentou uma adaptação ao projeto que chegava haR$ 3,4 milhões.

Conforme o secretário, a readequação feita por Hugo Mota fica de acordo com a exigência legal. Ainda segundo Tomaz Neto, Mota não avaliou ser necessário o reforço estrutural no viaduto. “Seria o maior peso no valor da obra”, completou o chefe da pasta de Obras e Infraestrutura. Entre outros serviços, o concreto desagregado vai ser retirado, as juntas de dilatação serão substituídas e serão feitas emendas das ferragens.

Tomaz Neto também falou que não haverá interdição das avenidas Deodoro da Fonseca e Rio Branco. “O que o Ministério Público questionou foi a laje de baixo, do Canal do Baldo, que estaria com problemas. Mas verificamos que na há perigo”, comentou. Ainda de acordo com o secretário só o escoramento da estrutura será o suficiente para não causar mais transtornos.

HISTÓRICO DA LENTIDÃO

O Viaduto do Baldo foi interditado no dia quatro de outubro de 2012 depois de intervenção do Ministério Público Estadual. Tanto a estrutura que passa pelo trecho inicial das principais avenidas do centro da cidade, quanto o canal precisam de reparos. Um laudo feito após inspeção do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-RN) complementou outro laudo feito ainda em 2009.

Em 11 de junho de 2013, houve a assinatura da ordem de serviço, dando a largada para as obras. Porém, só começaram efetivamente na segunda quinzena de julho. Mas não durou muito tempo. No início do mês de setembro, as obras foram paralisadas. A previsão da secretaria era que as mudanças no projeto executivo estivessem prontas a tempo de as obras retornarem ainda na primeira quinzena de outubro. Assim, o prazo para a conclusão e conseqüente liberação do viaduto seria janeiro deste ano.

Outra questão que travou a instalação da empresa no local foram os moradores de rua que se abrigavam sob o viaduto e problemas de acesso à rede de energia elétrica. O viaduto foi inaugurado em 1978 durante a gestão do prefeito Vauban Farias e não há notícia de reparos ou obras de manutenção ao longo do tempo. O prazo mais recente para a retomada das obras era início de abril, o que não se concretizou.

Compartilhar: