Robério Paulino: “O que Henrique Alves fez pelo Estado em 40 anos?”

As aspas acima são do candidato do PSOL a governador do Rio Grande do Norte

76I667ITYEIEIIR

Alex Viana

Repórter de Política

“Esse senhor Henrique Alves, o que foi que ele fez pelo estado em 40 anos? Nós perdemos quase 40% do rebanho bovino com a seca em 2012, uma tristeza. Eu vi alunos meus chorando dentro da sala de aula, relatando que a família dele tinha 250 cabeças de gado e restaram 20. O Nordeste perdeu 40% do rebanho, milhões de cabeças de gado. Esse senhor, como presidente da Câmara dos Deputados, eu pergunto a você, o que ele fez para impedir isso? O que ele fez pelo Estado?”.

As aspas acima são do professor Robério Paulino, economista e membro do Departamento de Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Ele será o candidato do PSOL governador do Rio Grande do Norte.

“O que o senhor Henrique Alves fez para transformar esse estado? Qual foi a grande lei que mudou a realidade? Nós temos ainda hoje 18,5% de analfabetos, um em cada cinco potiguares são analfabetos, isso é uma vergonha para o Estado, nós estamos no século XXI. Pois eu digo a você, se me couber a chance de chegar ao governo nós vamos zerar o analfabetismo em no máximo oito anos. Eu tenho estudado muito as experiências do Japão, da Coréia do Sul e de outros países e eu lhe digo: esses países só arrancaram de serem países atrasados para serem países de ponta tecnologicamente com educação de qualidade. Nós vamos dar um choque em nosso estado. Eu sou professor há trinta anos e sei como fazer isso”, afirmou, durante entrevista ao programa “RN em Debate”, da TV União.

“Esses nomes como o de Henrique Alves e a família dele, essa oligarquia Alves que está aí há 60 anos, vive para parasitar a máquina pública, para defender seus interesses e de seus amigos”, continuou Robério Paulino.

FISIOLOGISMO

Estudioso da política e da administração pública, o professor Robério Paulino afirma que o RN está diante de um chapão formado por Henrique como candidato a governador e a ex-governadora Wilma de Faria candidata ao Senado, com ambos representando, segundo ele, o que há de mais clássico em termos de fisiologismo e clientelismo na política brasileira.

“Nós estamos vendo um chapão aí, que eu chamo de conluio, o conluio da velha política, encabeçado pelo senhor Henrique Alves, pela senhora Wilma Maia, que representam, para mim, o que tem de mais clássico, mais tradicional e mais antigo na política brasileira. O partido do senhor Henrique Alves é especialista no loteamento da máquina pública. Qualquer governo que chegue, eles apoiam, desde que eles tenham tal, tal e tal secretária, o que a gente chama de fisiologismo. Outra base do fisiologismo da política brasileira é o clientelismo, é você conceder um IFRN ou conceder uma escola em um bairro como favor, pensando nas próximas eleições. Isso é a coisa mais antiga, é a base, são os pilares da política brasileira, o que nós rejeitamos por completo”.

Robério ilustra suas críticas ao atual presidente da Câmara dos Deputados recordando o uso do avião da FAB, por Henrique, para assistir a um jogo do Brasil durante a Copa das Confederações, no Rio de Janeiro, em pleno momento de revoltas pelo país, em junho de 2013.

“O senhor Henrique ele foi capaz de pegar o jato da FAB com sua família, gastar quase R$ 200 mil para ir para um jogo na Copa das Confederações no Rio de Janeiro e depois disse que devolveu o dinheiro, mas devolveu R$ 9 mil. Isso é a expressão de como esses políticos entendem a máquina pública”, afirmou Paulino, que também é especialista em Políticas Públicas e diz ter lutado a vida inteira por uma modernização completa e uma moralização da máquina pública, com redução significativa de cargos comissionados.

“A política pública é entendida como um direito universal das pessoas, porque o dinheiro que faz as políticas públicas é dinheiro de impostos das pessoas e tem que voltar para as pessoas, não é dinheiro de político nenhum, nem de deputado, nem de vereador, nem de governador, enfim, nós temos que mudar essa visão, nós temos que resgatar os serviços públicos”, afirma.

Comparação do candidato: “PSOL tem peso maior que PSTU no RN”

Quanto às críticas do PSTU, que chamou de “hegemônica” a postura do PSOL ao não abrir mão da cabeça de chapa para o PSTU, rachando a frente ampla de esquerda, Robério disse respeitar, mas não concorda com a classificação de posição hegemônica.

“O PSTU acha que tem hoje um peso social maior em Natal, nós achamos o contrário, que nós temos uma partido com um peso muito maior. Por exemplo, o PSTU tem pouquíssima circulação no interior, nós estamos em dezenas de cidades pelo interior. Respeitamos a aprovação da companheira Amanda (Gurgel, vereadora em Natal, eleita com mais de 30 mil votos em 2012), eu inclusive fiz o chamado para que fosse a mais votada nas eleições passadas, mas nós achamos que o PSOL nacionalmente tem mais possibilidades”, disse.

Robério disse ainda que o PSOL está disposto a abrir a discussão, inclusive cedendo a cabeça da chapa ou fazendo uma composição, desde que haja um processo democrático. “O que é que nós propomos e que os companheiros do PSTU não entendem e não é aceitam? Que haja um processo democrático de todo o movimento social, aberto, uma frente de fato, não só entre os dois partidos, com todos aqueles que estiveram nas ruas em junho, nas organizações sociais, a juventude, e que a gente abra esse processo e que o movimento social decida quem devia ser a cabeça da chapa da frente de esquerda. Nós nos submetemos a isso; os companheiros não aceitam, essa é a diferença conosco, que os companheiros colocam os interesses do seu partido acima dos interesses do movimento, na nossa opinião. Não é hegemonismo do PSOL. Então façamos um desafio, vamos abrir o processo para conformar essa frente de esquerda, aberta aos movimentos sociais, aos lutadores e deixemos que o movimento decida quem tem mais peso e melhores condições de enfrentar esse debate”, afirmo.

Segundo Simone Dutra, do PSTU, o partido não abre mão de lançar candidatura ao governo e gostaria que o PSOL, que foi apoiado pelo PSTU na eleição passada para prefeito de Natal, dessa vez, apoiasse o PSTU, indicando o vice e mantendo a frente de esquerda. Com o racha na frente de esquerda, os dois partidos devem apresentar candidatos próprios ao governo e ao Senado.

Compartilhar:
    • Erick Bergamini

      ganhou meu voto!