Robert Plant diz que novo disco “soará bem em uma festa jamaicana”

Novo trabalho solo do antigo vocalista do Led Zeppelin chegará às lojas em setembro de 2014

t6j67u67u3u563u

Os fãs do Led Zeppelin podem estar irritados com o fato de uma nova reunião do grupo esteja extremamente distante da realidade, mas eles podem se consolar com a notícia de que Robert Plant recentemente finalizou o mais novo disco solo dele, sucessor de Band of Joy, de 2010. O álbum, ainda sem título, teve a grande maioria das músicas gravadas no estúdio Real World, de Peter Gabriel, e chegará às lojas no dia 9 de setembro. “É um disco de celebração”, diz o músico, acrescentando que traz muito da sonoridade da banda Massive Attack e do oeste africano. “Talvez soe bem em uma festa jamaicana, mas eu não tenho tanta certeza se soará bem no [site de conglomerado de rádios indiesNPR.”

Muitos dos músicos que tocaram com Plant em Might ReArranger, de 2005, incluindo John Baggott (teclaro), Billy Fuller (baixo) e Justin Adams (guitarra), estarão de volta. “Nós também temos esse cara da Gambia [ Juldeh Camara]”, diz Plant. “E eu canto no topo de tudo isso.”

Plant cairá na estrada com a banda Sensational Space Shifters na maior parte do verão do hemisfério norte e os planos futuros ainda não estão claros, embora ele esteja em contato com Alison Krauss para falar sobre a gravação de sucessor do disco em conjunto deles, Raising Sand, de 2007. “Alison me ligou, seis semanas atrás”, contou ele. “Ela perguntou: ‘Nós deveríamos gravar um novo disco?’.”

Plant ficou paralisado com a ideia inicial do projeto. “Ela continuava dizendo: ‘Agora nós temos que fazer como o Daft Punk’”, conta Plant. “Eu disse: ‘Alison, nós temos ótimas vozes. Nós temos que encontrar algumas belas músicas as quais possamos cantar junto’. E Daft Punk? Nós podemos sair e jantar com Nile Rodgers, mas só.”

Esta não será a primeira vez que a dupla tenta gravar um sucessor de Raising Sand. Depois de terminarem a turnê em conjunto em 2009, Plant foi ao estúdio com o produtor Daniel Lanois para compor material que ele poderia gravar com Alison. “Eu e Dan escrevemos cinco músicas em dois ou três dias no Silver Lake”, lembra o músico. “Elas eram muito boas, mas não funcionaram bem para cantarmos juntos. Então eu as deixei de lado. Depois disso, Alison voltou a tocar com aqueles caras gordos e barbudos [a banda dela Union Station] e fez um ótimo disco.”

Muitos fãs ficaram surpresos com o fato de Plant ter optado em trabalhar com Lanois no disco descartado, ao invés de T-Bone Burnett, produtor e guitarrista de Raising Sand. “Eu lembro daquele cara”, diz Plant, com um toque de sarcasmo. “Ele é muito evasivo e incrivelmente difícil de encontrar. Eu o amo desesperadamente. Ele se fascina consigo mesmo e, por isso, tem a própria gravadora. Ele também é um cara muito alto. Acho que teríamos que lutar boxe por 12 rounds antes de começar.”

Isso significa que Burnett não irá produzir o provável novo disco de Plant e Alison? “Eu não sei”, diz Plant. “Eu não acho que essa seria uma má ideia. Somos todos loucos. Não conseguimos lembrar tão bem de coisas que não achamos ser certo ou errado. É apenas viver e deixar viver.”

 

Fonte: Revista Rolling Stone

Compartilhar: